quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

POESIA CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA-SERÁ TEMA DE PALESTRA NA ARCÁDIA DE MINAS GERAIS-DIA 4 DE JUNHO DE 2014, POR SILVIA ARAÚJO MOTTA

POESIA CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA -Silvia Araújo Motta


-


-


POESIA CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA



Silvia Araújo Motta-Cad. 48 na ANLPPB


1-INTRODUÇÃO


As transformações, pelas quais a Literatura vem passando há alguns séculos e décadas instigam pesquisas inovadoras no campo poético, ora em Língua Portuguesa ou em outros idiomas.


Para atender a proposta da ANLPPB busquei o dorso da capa ou sobrecapa de vários livros de minha estante, para explanar sobre a importância da Poesia Contemporânea dentro da minha experiência profissional e pessoal.

Como ponto de partida, retomei dados históricos da discussão teórica, com propriedade para a inclusão da prática nesta realidade específica.


Em meu ambiente familiar aprendi a {Arte de Fazer Versos} clássicos e românticos, de forma fixa e, principalmente artísticos obedecendo a rima, o metro e o ritmo. Meus pais e meus tios sempre promoviam Saraus Literoculturais, entre amigos, ao som de vários instrumentos musicais. Com minha mãe e meus irmãos aprendi a tocar violão e harmônio, desde os sete anos de idade.


O Decálogo de Metrificação sempre me orientou nas composições poéticas. Quanta saudade dos versos clássicos de Cassimiro de Abreu, Alfred Musset, Coleridge, Heidegger, Garcia Lorca, Florbela Espanca, Castro Alves, Olavo Bilac, Bocage, Camões, Fagundes Varela, Guerra Junqueiro, Vicente de Carvalho, Djalma Andrade, Olegário Mariano,Guilherme de Almeida, Santo Tomás de Aquino, sem esquecer-me dos Salmos Bíblicos...que declamei em teatros.


A versificação acentual isócrona, de efeito métrico, tem na base silábica portuguesa a unidade de medida do verso que se acomoda em um número fixo de sílabas, limitado por um acento tônico final, obrigatório. A tendência isossilábica obedece à estrutura perfeita rítmica auditiva que atende ao número e disposição dos acentos, aos exemplos dos Sonetos clássicos, Éclogas, Rondel, Pantum, Triolé, Haicais, Vilanela, Trovas clássicas da UBT e outros.


Podemos considerar o dodecassílabo, o verso mais longo, normalmente empregado pelos poetas, embora existam exemplos de VERSOS BÁRBAROS de forma fixa de treze sílabas: de Francisco Otaviano, de quinze sílabas: de Abel Pereira e de dezessete sílabas: de Mário Quintana. Não importa se o poema é lírico, narrativo ou lúdico.


Quando fui Professora de Língua Portuguesa e Literatura fiz questão de trabalhar bem, todos os gêneros disponíveis na cultura, caracterizados por seus três elementos: conteúdo temático, estilo e construção composicional. Nos poemas, avaliamos também a declamação, aconselhada por Aristóteles, na pauta clássica e lírica de Petrarca e Camões. Historicamente, as produções literárias geram usos sociais, articulados em número ilimitado, em diferentes situações comunicativas, na língua materna, apesar da multiplicidade dos mesmos.


O conhecimento especializado incentiva a criação poética, com maior facilidade e habilita a ação e a interação crítica textual concomitante no mundo em que vive.



II-TEORIA E HISTÓRIA


O poeta francês Gustave Kahn, em 1902, foi principal teorizador do Verso Livre; procurou estabelecer-lhe os princípios, que podem ser assim resumidos:


a) O Verso deve possuir sua existência própria e interior consubstanciada numa coerente unidade semântica e rítmica;


b) A unidade do verso será então definida com o fragmento mais curto possível em que haja uma pausa da voz e uma conclusão de sentido;


c) A estrofe não terá mais um desenho preestabelecido, mas será condicionada pelo pensamento ou pelo sentimento.


d) A inversão e o cavalgamento são recursos que devem ser banidos do verso. Os poetas Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Henriqueta Lisboa, Alaíde Lisboa, Saul Alves Martins, Conceição Piló, Edir Carvalho Tenório, Mário de Andrade, Juraceí de Barros Gomes, Paulo Geraldo Corrêa, Walter Cardoso, poetas falecidos, muitas vezes aplicaram estes princípios em seus poemas.


Seguindo o exemplo de outros poetas, Henri Morier salienta que {não podemos dizer que exista a priori, uma técnica uniforme do verso livre. Cada POETA procura forjar o seu próprio instrumento, não sendo raro o mesmo autor, ensaiar modelos e criar suas próprias técnicas...}


A rima do verso não se preocupa com seu valor, nem com a fonética, nem mesmo quanto à colocação do acento tônico das palavras. O autor letrado tem a fina sensibilidade expressiva e o perfeito domínio do material linguístico. Os poetas sem letramento não aprenderam a formalidade do registro, mas podemos afirmar que aplicam a sonoridade literária de outros poetas...Os trovadores repentistas exemplificam esta citação.


As principais características da primeira geração modernista registram a intenção formal de destruir o academicismo da métrica, da rima, da linearidade do texto poético, do sentimentalismo romântico, do racionalismo realista-naturalista e da linguagem de dicionário, entre outras. Outras gerações sugeriram outras formas de versos livres.


Os versos brancos ou soltos, descadenciados, receberam a mistura entre a prosa e a poesia, sem os preceitos da versificação; em vez de adjetivos e advérbios houve a preferência por substantivos e verbos; com palavras em liberdade, associadas por analogia, em vez dos processos sintáticos tradicionais. O heterônimo Álvaro de Campos de Fernando Pessoa foi considerado um pré-modernista, em Portugal, em termos artísticos e filosóficos, desde a Revista Orpheu dos escritores jovens, de 1915.


Sabemos que o processo de elaboração de um POEMA CONTEMPORÂNEO é quase informal, não obstante tenha recebido propostas históricas que marcaram a Semana de Arte Moderna, no Teatro Municipal de São Paulo, nos dias, 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922, ano do Centenário da Independência do Brasil e da Fundação do Partido Comunista Brasileiro.


O Manifesto da Poesia Pau-Brasil, de 1924 e a Antropofagia de 1928 adentraram por completo ao Modernismo. Entre os literatos e poetas, tomaram

 Graça Aranha, Guilherme de Almeida,Mário de Andrade (1893 - 1945), Menotti del Picchia, o
líder Oswald de Andrade, Renato de Almeida, Ronald de Carvalho, Tácito de Almeida, além de Manuel Bandeira com a leitura do poema: Os Sapos. Alguns críticos literários reconhecem que, a despeito de todos os antagonismos, esse evento configura-se como um fato cultural fundamental para a compreensão do desenvolvimento da Arte Moderna no Brasil, e isso sobremaneira, pelos debates públicos mobilizados (cercados por reações negativas ou de apoio) e riqueza de seus desdobramentos na obra de alguns de seus realizadores.


Não é difícil imaginar a repercussão causada pela notícia do Jornal A GAZETA/SP, de 22-02-1922: {Ao público chocado diante dos poemas sem rima[...]:sons sucessivos, sem nexo, estão fora da arte musical; são ruídos, são estrondos; palavras sem nexo fora do discurso; são disparates com tantos e tão cabeludos que nesta semana conseguiram desopilar os nervos do público paulista, que raramente ri às bandeiras despregadas...}


Considerando que a Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, tem a MISSÃO DE PROPAGAR A ARTE POÉTICA E VALORIZAR O POETA CONTEMPORÂNEO E VIVO gostaria de registrar a poemática e características líricas de muitos mineiros: Mercês Maria Moreira, Zeni de Barros Lana, Conceição Abritta,  Mauro José de Morais, Adilson Cerqueira Soares, Ivone Taglialegna Prado, Ozório Couto, Daniel Antunes Júnior, Elza de Moura, Avelar Rodrigues, Marco Aurélio Baggio, Rogério de Alvarenga, Maria Aparecida Meyer Pires Rezende, Maria Ribeiro Pires, João Quintino Silva, Maurino Araújo, Deiwson Ferreira de Magalhães, Eduardo Antônio de Oliveira Toledo, Emerson Luis de Castro, Roberto Carvalho, Ronaldo Vieira Aguiar, Carlos Felipe de Melo Marques Horta, Raymundo Nonato Fernandes,Franklin Lopes de Freitas, Luiza Miranda, José Carlos Serufo, Clara de Assis Souza Guimarães, José Carlos Baeta,Laura Aparecida da Silva,Relva do Egypto, Renato Passos,e outros.


JOSEMAR OTAVIANO DE ALVARENGA é médico-ortopedista, poeta vivo e contemporâneo, nascido em Santana do Riacho/Serra do Cipó/MG:


[...Como autêntico andarilho das estrelas,/


caminho por mundos diferentes/


e por estradas cheias/ de crostas planetárias/


sob olhos tristes e lacrimejantes,/


corpo débil e bastante alquebrado/


divisando somente um cenário/


de sonhos...de esperança./...]






ARAHILDA GOMES ALVES, poeta viva e contemporânea, nascida em Uberaba/Minas Gerais, Artista Plástica, Pianista.


[...] O liquem viscoso dos rios passa as pernas


por entre as coxas fibrosas das montanhas


que se curvam recebendo o orgasmo da natureza.


A língua esbranquiçada da neblina


traça evoluções corpóreas...]


[Por entre as fendas maceradas da terra...]


[...E os tentáculos enciumados do sol


arrancam, furiosos, a camisola suada


da noite plena de amor.]






III-CONCLUSÃO


Vale ressaltar a importância das redes sociais. Os sites propiciam a divulgação rápida, on line! “É um sucesso o mundo virtual, revirtual, virtureal e transreal de contato com pessoas diamantinas, pérolas do mais alto quilate, sereias que navegam céleres pelo céu-mar da literatura”. Falta cultivar a adequação à realidade dentro de limites da liberdade, equilíbrio e verdadeira justiça, com fartura e benefícios para todos. Autores criativos e talentosos estão sempre imbuídos do espírito cooperativo, humanístico, fraterno e solidário. Não resta dúvida, que existem os perigos e má utilização das exposições indevidas.


Quem tem essa oportunidade virtual, logo se encanta e fica hipnotizado pelo charme e magia de grandes artistas da palavra. É um trabalho diário prazeroso extraordinário: ler, responder os emeios, pesquisar, compor e divulgar poemas para vários países.


Vale especificar o inédito número total dos textos poéticos registrados no site do Recanto das Letras Virtuais, nesta data, 15 de dezembro de 2013: Acrósticos(52.170), Cirandas(4.606) Cordel (19.609), Duetos(21.016), E-livros(14.559), Haikais(68.993), Indrisos (16.380), Poesias(1.619.164), Poetrix(128.110), Rondel (6.358), Sonetos(116.029), Tautogramas(1284), Teoria Literária (3.275), Trovas (53.886), Alelos Esmeraldinos (2.306), Tritofes(1302), Mindim (5.439), Ecosys (1352), Merlix(171), Oitava Fechada(183), Sextilha Real(627), Vaivém Nunix(612), Varano (632) , Medianeiro (748), Trínomo Gabaldista(823), Poémata( 672), Poemglo(168) e outros experimentais.Tutoriais (1.706). Tornei-me RAINHA INTERNACIONAL DOS ACRÓSTICOS, a partir das minhas postagens. Já ultrapassei a composição de sete mil poemas/acrósticos. Fui eleita entre os Onze SONETISTAS do Brasil/CAPPAZ. Graças aos primeiros contatos pelo computador, pertenço às vinte e seis Academias de Letras, Ciências e Artes do Brasil e exterior, como Membro Titular, Membro Benemérito, Membro Honorário e/ou Acadêmica Correspondente.


É relevante analisar as dificuldades que tive para a elaboração de mais de 300 sonetos clássicos-líricos-sáficos-heroicos, com a exigência da sonoridade tônica na 4ª. 6ª, 8ª e 10ª sílabas, com a mensagem essencial no 14º verso, dentro do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa e ainda, compondo imagens retóricas com metáforas, imagens, metonímias.


À moda do Noneto Musical de Villa Lobos, criei o Noneto Poético, dentro do Soneto clássico. À moda da Cartrova eu criei os Carversos: Carta em Versos. Cabe ao Poeta a liberdade de apresentar seu estilo da melhor forma, de acordo com as situações cotidianas.


No Brasil, temos centenas de excelentes poetas que não possuem a oportunidade de divulgação de seus trabalhos em livros ou na mídia. Muitos são conhecidos, apenas entre as pessoas de seu relacionamento local ou regional. Parabéns à iniciativa da ANLPPB, de valorizar e divulgar autores vivos e contemporâneos.


Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil.



Email:clubedalinguaport@gmail.com