quarta-feira, 13 de maio de 2015

Il Silenzio-André Rieu-VER ACRÓSTICOS DE SILVIA ARAÚJO MOTTA-SÉRIE: TEMA SILÊNCIO- Nº 5885 (21) até Nº 5886 (22)



-//-


5885-PAZ É FRUTO DO SILÊNCIO
-
Acróstico nº 5885-Nº 21 da Série SILÊNCIO
Por Silvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil
-
P-Para conseguir fazer o outro calar
A-A resistente árvore do silêncio pende
Z-Zelo para a PAZ interior encontrar.
 -
É-É preciso saber CALAR-SE primeiro,
 -
F-Face ao ensinamento de Sêneca,
R-Realça a prática de conhecimento,
U-Uma espécie de puro pensamento;
T-Trabalho árduo é o mental-essencial:
O-Organizador da VIRTUDE do SEGREDO ;
 -
D-Do silêncio, pode surgir a harmonia
O-Ou evitar o vocabulário da DOR.
 -
S-Silêncio que vem repleto de SABEDORIA,
I-Incondicional fica perante qualquer cólera!
L-Lindas palavras podem valer prata
Ê-E o silêncio vale ouro, para chineses.
N-Na opção consciente, o silêncio é liberdade,
C-Como instrumento de simples libertação.
I-Indiferença requer experiência e habilidade
O-O silêncio, às vezes é a melhor decisão.
-
Belo Horizonte, Minas Gerais, 13 de maio de 2015.
http://www.recantodasletras.com.br/acrosticos/5240019
-//-


5886-SILÊNCIO É PRUDÊNCIA
-
Acróstico nº 5886-Nº 22 da Série SILÊNCIO
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil
-
S-Silêncio é o Santuário da Prudência!
I-Impressiona-me a Voz do Silêncio;
L-Louvo o valor do momento de reflexão,
E-Extravagância que exige paciência.
N-Na pauta musical, o ponto, a pausa,
C-Contrapontos pedem técnica e arte
I-Indispensáveis ao ritmo e à melodia;
O-O Maestro sabe a hora exata de parar
 -
É-E o Coral, de Vozes afinadíssimas,
 -
P-Precisa perceber o sinal que busca no ar;
R-Respirar no ínfimo trecho da composição;
U-Um discurso é tão fácil de escrever e ler...
D-Difícil é a interpretação entre os aplausos,
Ê-E penetrar na entrelinha da alma de outrem,
N-No olhar que contém claro aborrecimento,
C-Corrente sanguínea de tantas suposições,
I-Impossíveis de traduzir latentes emoções:
A-A semelhança seria mera coincidência???
-
Belo Horizonte, Minas Gerais, 13 de maio de 2015.
-
Cantiga de ontem, de hoje e de sempre:
em Portugal, em Fátima e no mundo cristão:
-
A treze de maio, na Cova da Iria,
visitam Maria, a Mãe de Jesus...
Avê, avê, Ave Maria,
Avê, avê, Ave Maria.
-
http://www.recantodasletras.com.br/acrosticos/5240028

-//-


A VERDADEIRA HISTÓRIA DO TOQUE  DO SILÊNCIO
Se alguém já esteve em um funeral militar e ouviu este “toque de silêncio”, agora vai conhecer seu significado.
Este “toque de silêncio” (Taps) nos dá um nó na garganta e geralmente nos faz lacrimejar.

Mas, vocês conhecem a verdadeira história desta canção?
Se não sabem, devem estar interessados em conhecer sua origem.
Tudo começou em 1862, durante a Guerra Civil Americana, quando o Capitão do Exército da União, Robert Elly estava com seus homens perto de Harrison’s Landing no Estado da Virginia e o Exército Confederado estava próximo a eles, do outro lado do terreno.

Durante a noite, o Capitão Elly escutou os gemidos de um soldado ferido no campo. Sem saber se era um soldado da União ou da Confederação, o Capitão decidiu arriscar sua vida e trazer o homem ferido para dar-lhe atenção médica.

Arrastando-se através dos disparos, o capitão chegou ao soldado ferido e começou a arrastá-lo até seu acampamento.
Quando o Capitão chegou finalmente às suas próprias linhas, descobriu que na realidade era um soldado confederado. Mas, o soldado já estava morto.
O Capitão acendeu sua lanterna para, mesmo na penumbra, ver o rosto do soldado.

De repente, ficou sem fôlego e paralisado. Tratava-se de seu próprio filho.
O menino estava estudando música no Sul quando a guerra se iniciou. Sem dizer nada ao seu pai, o moço havia se alistado no exército confederado.
Na manhã seguinte e com o coração destroçado, o pai pediu permissão a seus superiores para dar a seu filho um enterro com honras militares apesar de ele ser um soldado inimigo.

O Capitão pediu se poderia contar com os membros da banda de músicos para que tocassem no funeral de seu filho.
Seu pedido foi parcialmente aprovado.
Por respeito ao pai, lhe disseram que podiam lhe dar um só músico.
O Capitão, então, escolheu um corneteiro para que ele tocasse uma série de notas musicais que encontrou no bolso do uniforme do jovem falecido.
Nasceu assim a melodia inesquecível que agora conhecemos como Taps, cuja letra é a seguinte:

Day is done, gone the sun from the lakes, from the hills, from the sky.
All is well, safely rest God is nigh.
Fading light dims the sight
And a star gems the sky, gleaming bright
From afar, drawing near falls the night.
Thanks and praise for our days
Neath the sun, neath the stars, neath the sky as we go, this we know, God is nigh.
O dia terminou, o sol se foi dos lagos, das colinas e do céu.
Tudo está bem, descansa protegido, Deus está próximo.
A luz tênue obscurece a visão.
E uma estrela embeleza o céu, brilhando luminosa.
De longe, se aproximando, cai a noite.
Graças e louvores para os nossos dias
Debaixo do sol, debaixo das estrelas, debaixo do céu, enquanto caminhamos, isso nós sabemos, Deus está próximo.
Muitos ainda sentem calafrios cada vez que ouvem o “toque de silêncio” (taps), mas não sabem que ela tem uma letra. Nem sequer sabem a história da canção.
Nota: Segue link para o slide (com o som) da música e a história da canção.
John Wood.


FONTE:
https://williamfelixoficial.wordpress.com/2014/12/29/a-historia-do-taps-o-toque-militar-de-silencio/