sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

-SONETO À VERDADE [ 8º DA SÉRIE ] - Noneto-Poético-Teatral Nº 32-Soneto interpretativo nº 6.087 Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil (*) - Comentando A Crônica [Rastreando a Verdade] [8º da Série] -Caminho do Meio _ A Senda da Felicidade: De Klinger Sobreira de Almeida.

-

6.087-SONETO À VERDADE [ 8º DA SÉRIE ]
-
Noneto-Poético-Teatral Nº 32
Soneto interpretativo nº 6.087
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil (*)
-
Comentando A Crônica :
[Rastreando a Verdade] [8º da Série]
-Caminho do Meio _ A Senda da Felicidade:
De Klinger Sobreira de Almeida.
-
Há uma Verdade nesta Lei Regente
do Criador na Luz, sem trevas/dores:
-A Mão de Deus aberta em nossa mente
é generosa ao mundo, tem valores.
-
Nada de extremos, pois a Mão luzente
sábia se fecha ao Mal dos seus “senhores”
não há ascensão do SER na trilha e sente:
-Radicalismo faz gerar rancores.
-
Errar, cair, sofrer, subir ao monte
da evolução que ao homem faz crescer!
Trilha do MEIO, livre-arbítrio traz.
-
Em Cristo, Buda, Okawa... bela Fonte:
-a Fé no túnel faz Amor nascer.
Felicidade é senda para a Paz.
-
(*)Soneto-Clássico-sáfico- heroico; com sílabas fortes//
na 4ª, 6ª, 8ª; 10ª sílabas - Rimas: ABAB, ABAB,CDE, CDE;
Noneto com 9 solos: jogral-teatral-toante-cantante-poético:
CORO:Rimas: AACEE-somente uma voz com apenas 5 instrumentos musicais apenas.
SOLOS: Rimas: BAB-BAB-DC-D-9 vozes acompanhadas por solos de instrumentos musicais.
(Noneto musical criado por Villa Lobos)
(Noneto poético recriado por Silvia Araújo Motta)
Mensagem conclusiva no 14º Verso( Último do segundo terceto).
-
http://www.recantodasletras.com.br/sonetos/5541025
---------------------*-----------------
Belo Horizonte, 11 de fevereiro de 2016.
-
Prezados Confrades e Confreiras,

Quão bom retornar ao convívio com vocês neste ano de luz e esperança: 2016! Espero encontrá-los firmes e dispostos – vontade incoercível! – para ajudar o Brasil neste transe difícil. Se nada podemos fazer na linha de frente, pelo menos nos é lícito, na retaguarda,  concorrer com pensamento positivo, espargindo otimismo e luz.
Na sequência da série “Rastreando a Verdade”, segue à sua apreciação o tema VIII – Caminho do Meio → A Senda da Felicidade. Fiquem  à vontade para a crítica, pois sou apenas um obreiro-aprendiz nessa busca.
Saudações Acadêmicas.


-

Rastreando a Verdade (VIII)

  Caminho do Meio - A Senda da Felicidade

A vida humana, essa travessia fugaz, ora nos agracia em ganhos, ora em perdas. Ora sítios amenos, ora terrenos agrestes; ora pastos verdejantes; ora escarpas e abismos.

É possível fazer a travessia humana desfrutando tão somente dos ventos suaves da bonança? É possível evitar os campos que nos trazem armadilhas e sofrimentos? É possível alcançar a felicidade? Sim! É possível. Desde que, no exercício do livre-arbítrio, elejamos como rota o Caminho do Meio. Em que consiste este caminho?

Um andarilho, adentrando por ínvias trilhas, deparou-se com um violeiro que afinava seu instrumento. Ora folgava as cordas do violão, e som desafinado. Ora esticava-as em demasia e ocorria a ruptura. Então, substituição de cordas e paciência, buscando-se o ponto do ajuste. Este veio e, pelas mãos do artista, a melodia ecoou naquelas paragens. Fluiu pelo Caminho do Meio. Extasiado, o andarilho iluminou-se interiormente: - cordas não folgadas nem esticadas em demasia!

Sidarta, o Buda, que vivenciara riqueza plena e privação total, recuperando suas forças, encontrou a via da felicidade: o Caminho do Meio.  Ensinou-o, difundiu-o... Modernamente, um dos divulgadores dessa ensinança ancestral é o místico Ryuho Okawa, em que nos ancoramos para adaptar uma metáfora significativa.

A Mão de Deus se estende, aberta e generosa, a todo ser humano. Nela, cada um jornadeia em ascensão. Ela – suave e nutriente – é vereda de luz; trilha sem penhas escarpadas, sem chão agreste, sem terras áridas... O viajor só se depara com ganhos e felicidade. É a travessia que se faz pelo Caminho do Meio. Porém há uma Lei Regente, imutável e inafastável – a Lei do Amor – com suas variantes intrínsecas: Fraternidade, Bondade, Misericórdia, Compaixão, Mansuetude, Trabalho, Humildade, Justiça... Se o viandante infringe a Lei, a Mão se fecha; no lugar da luz, trevas. Então, tropeços, quedas, rastejar... Vêm perdas, fracassos, doenças...

Poucos possuem discernimento para encontrar, no cipoal da travessia, o Caminho do Meio. Na vida pessoal, consagram o Ter em detrimento do Ser; entronizam o egoísmo e a vaidade. Na vida relacional e política, situam-se nos extremos. Ora radicalismo à esquerda, no culto a um socialismo utópico que suprime a liberdade e atrai a miséria. Ora à direita, numa visão enviesada em que se julgam privilegiados do destino: absoluta propriedade e gozo de bens que não lhes pertencem, e sim, a Deus; conservadores, só querem para si; embora sabedores das injustiças sociais gritantes e miserabilidade de milhões de irmãos, não abrem suas janelas ao mundo.

O Caminho do Meio implica em desapego. Ter sem escravizar-se; erigir o Ser como meta. Se o poder, a glória e a riqueza lhe acontecem, atentar que estes não o acompanham ao final da travessia fugaz. Assim, não se inebrie; caso contemplado com as benesses do mundo, administre-as como posseiro de Deus, visando ao bem comum.  Alcançado o pico da trajetória humana, cabe-lhe erradicar o egoísmo e o orgulho, e cultivar os valores da humildade e gratidão. Sim, gratidão a Deus e ao próximo.

O Caminho do Meio – senda da felicidade – está sempre aberto ao viajor terrestre. Seu acesso é factível à proporção que nos elevemos consciencialmente.
-
Klinger Sobreira de Almeida, Militar Ref./PMMG e membro ALJGR
-
http://www.recantodasletras.com.br/sonetos/5541025
Silvia Araujo Motta