quarta-feira, 9 de março de 2016

SONETO À VERDADE [10º DA SÉRIE] SERENIDADE É FORÇA QUE O BEM TRAZ -Comentando a crônica de Klinger Sobreira de Almeida-SERENIDADE

-
SONETO À VERDADE [10º DA SÉRIE]  SERENIDADE É FORÇA QUE O BEM TRAZ
-
Noneto-Poético-Teatral Nº 34-Soneto interpretativo-nº 6.089
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil (*)
Comentando a crônica de Klinger Sobreira de Almeida
-
A Educação começa em cada lar
mas no processo vai trilhar com calma,
em dependência que requer amar,
dar o perdão, que o ser humano acalma.
-
Ganhos e perdas mudam ao passar:
-Forte emoção que dá sentido à alma
na Evolução-Comandos vão ganhar:
-Só o equilíbrio tem triunfo e palma.
-
Serenidade é estado, sem impulso:
_É um atributo, vem com Luz também;
joga na artéria sangue lento, em pulso.
-
As soluções que sempre buscam PAZ
são construtivas, úteis sempre a alguém.
_Serenidade é força que o Bem traz.
-
Belo Horizonte, 8 de março de 2016.


-

http://academiadeletrasdobrasildeminasgerais.blogspot.com.br/2016/03/soneto-verdade-10-da-serie-e-forca-que.html
 

http://www.recantodasletras.com.br/sonetos/5545988
-
(*)Soneto-Clássico-sáfico- heroico; com sílabas fortes//
na 4ª, 6ª, 8ª; 10ª sílabas - Rimas: ABAB, ABAB,CDE, CDE;
Noneto com 9 solos: jogral-teatral-toante-cantante-poético:
CORO:Rimas: AACEE-somente uma voz com apenas 5 instrumentos musicais apenas.
SOLOS: Rimas: BAB-BAB-DC-D-9 vozes acompanhadas por solos de instrumentos musicais.
(Noneto musical criado por Villa Lobos)
(Noneto poético recriado por Silvia Araújo Motta)
Mensagem conclusiva no 14º Verso( Último do segundo terceto).
----------------------------------------

Confrades e Confreiras,
Prossegue o rastreamento da verdade. Eis o tema X: SERENIDADE→Portal Áureo, que ora lhes submeto à apreciação.  Porém, neste 08 de março – Dia Internacional da Mulher – presto minha homenagem às nossas confreiras que, nesta Academia, simbolizam as musas que inspiram e impulsionam rumo à sabedoria.
Para nós, homens, esta é uma data de profunda reflexão em louvor à mulher. Sim, sua ascensão, mormente a partir dos meados do século pretérito, em todos os campos da atividade humana – política, institucional, empresarial etc – teve como corolário a evolução moral/espiritual da sociedade.  Em todos os lugares, antes privativos do homem por uma ortodoxia machista, em que a figura feminina adentrou, a sabedoria – substância entremeada de amor – se espraiou, permeando os meandros mais  trevosos: a dignidade humana se elevou, a solidariedade alavancou-se,    a rudeza cedeu, a inteligência clareou-se,  a serenidade abriu suas asas... A mulher não substituiu o homem; ela lhe veio como parceira, mostrando-lhe que, juntos, podem construir o grandioso Templo da Humanidade.
Salve a mulher!
 -
Klinger Sobreira de Almeida – membro efetivo-fundador ALJGR – Cadeira 12
-

Rastreando a Verdade (X)
SERENIDADE - Portal Áureo
“Se és capaz de enfrentar o triunfo e o desastre sem fazer distinção entre estes dois impostores...” – Verso do Poema “SE”, de Rudyard Kipling.

“Eu fiquei com a cabeça quente”, assim se justificou o assassino de um pai de família. Motivo: uma insignificante colisão de trânsito.


A passagem humana é um cenário de ganhos e perdas, plena de problemas: ora rotineiros e leves, ora extensos e graves... Nenhum fica sem solução. Esta, dependendo da atitude pessoal de quem deve equacioná-lo, pode ser inadequada, acarretando nocividade à pessoa e/ou aos circunstantes, ou às coisas ou ao meio ambiente. Pode também ser benéfica, útil e construtiva a todos e tudo.
 

“Problema versus solução” atrela-se, indissoluvelmente, à atitude do responsável na situação ou circunstância emergente. Atitude faz parte da dinâmica da vida; é o modus de se relacionar com pessoas, coisas, ambiente, ou seja, postura comportamental diante de fatos, incidentes ou acidentes decorrentes da caminhada.
Infere-se, pois, que atitude constitui a bússola que dá ao caminhante seu rumo. Aquele que se externa via atitudes raivosas, agressivas, intempestivas ou desequilibradas provoca desarmonia e, até mesmo, lesões ou danos. Trata-se de indivíduo nocivo - qualquer que seja seu status social, econômico ou político - além de retrógado em sua ascensão, se engrossa na falange que retarda a evolução planetária.
 

Qual o desafio do ser humano? Educar-se em atitude, ou seja, controlar suas emoções, estes atributos divinos, concedidos para que sejamos deles os “senhores”, e não, “servos”. A educação começa no berço. A criança deve assimilar valores, frenada em seus impulsos de “birra” ou desejos incontroláveis, conhecendo frustrações. Ao final da adolescência, o processo educativo interior, se desenvolvido, faz emergir no adulto sua luz: – Eu sou capaz, eu comando minhas emoções, eu mantenho o equilíbrio em todas e quaisquer circunstâncias ou situações da vida.
 

A conjunção dos fatores calma, paciência, tranquilidade, prudência e humildade – cultivados por aqueles que buscam a elevação consciencial - quando toma assento definitivo na tessitura interior, resulta em um estado psíquico inabalável, invencível, que denominamos SERENIDADE.  Esta tornar-se-á atributo de caráter (ou qualidade intrínseca) que será o farol das atitudes em quaisquer situações da vida, não importando grandeza de perdas ou extensão de triunfos. Por conseguinte, a pessoa serena demonstra, no seu dia a dia, equilíbrio e discernimento; jamais se abala diante dos problemas.
 

As soluções resultantes do ESTADO DE SERENIDADE – refletidas e arquitetadas como num jogo de xadrez em que se evita o xeque-mate – fluem em consonância com a lei regente do universo: o Amor – que edifica, harmoniza e irradia luz.
 

A SERENIDADE – verdade internalizada e cristalizada por um processo educativo – constitui, indubitavelmente, o Portal Áureo de todas as soluções benéficas, úteis e construtivas.

Klinger Sobreira de Almeida, Cel. Ref./PMMG, membro ALJGR