quinta-feira, 19 de maio de 2016

6119-SONETO À VERDADE- (XV Da Série ) PERSEVERAR NA LEI DO AMOR - Noneto-Poético-Teatral Nº 40-Soneto-nº 6.119 Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil (*) Comentando reflexões de Klinger Sobreira de Almeida

-

6119-SONETO À VERDADE- (XV Da Série ) PERSEVERAR NA LEI DO AMOR
-
Noneto-Poético-Teatral Nº 40-Soneto-nº 6.119
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil (*)
Comentando reflexões de Klinger Sobreira de Almeida
-
O vencedor enfrenta seu porvir;
cai sete vezes, sofre, mas levanta;
sabe que vai chegar ao fim, sentir;
pelo caminho, chora até ri e canta.
-
Boa vontade, a trilha faz luzir;
serenidade em bojo, paz encanta;
clareia abismo, tudo quer cumprir:
_Colheita boa, rega a fé que planta.
-
Perseverante vence, alcança o cume
na consciência espanta qualquer ânsia,
com positiva ação acende o lume.
-
Amor na base é LEI, jamais exito:
_Pura Verdade, chega desde a infância;
Perseverar é Estrela-Guia ao êxito.
-
Belo Horizonte, maio de 2016.
http://www.recantodasletras.com.br/sonetos/5593198
-
(*)Soneto-Clássico-sáfico- heroico; com sílabas fortes//
na 4ª, 6ª, 8ª; 10ª sílabas - Rimas: ABAB, ABAB,CDC, EDE;
Noneto com 9 solos: jogral-teatral-toante-cantante-poético:
CORO:Rimas: AACEE-somente uma voz com apenas 5 instrumentos musicais apenas.
SOLOS: Rimas: BAB-BAB-DC-D-9 vozes acompanhadas por solos de instrumentos musicais.
(Noneto musical criado por Villa Lobos)
(Noneto poético recriado por Silvia Araújo Motta)
Mensagem conclusiva no 14º Verso( Último do segundo terceto).
----------------------------------------

Rastreando a Verdade (XV)

PERSEVERANÇa-Estrela-Guia do Êxito

“Cair sete vezes; levantar-se oito” (provérbio japonês). “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura” (dito popular).

Perseverança – característica de pessoas persistentes e resolutas em seus propósitos – é traço distintivo de caráter visualizado por dois eixos: um direcionado ao bem, outro ao mal. Naquele, representa atributo positivo; neste, negativo.

Os indivíduos perseverantes trazem consigo uma vontade incoercível; acreditam no seu potencial. Sabem que vão chegar e colher. Nada os afasta do caminho. Nem óbices. Nem tropeços. Nem quedas. Normalmente, são os vencedores da travessia. Os conquistadores. Os descobridores. Os impulsionadores do progresso da humanidade, ou
os responsáveis por grandes hecatombes.

Pelo ângulo positivo da perseverança, eis alguns exemplos da história: Paulo, a semear o cristianismo entre os gentios; Júlio César, na conquista das Gálias; Vasco da Gama, na superação do desconhecido; Abraham Lincoln, na ruptura da escravidão; Victor Hugo, na literatura; os Curie, na amplitude da ciência; Mahatma Gandhi, na libertação da Índia; Juscelino Kubitschek, no avanço industrial, extensão das fronteiras e mudança da capital; Coronel Pedro, o legendário Delegado de Capturas, no desvendamento de crimes misteriosos. Porém, no enfoque negativo, também há passagens trágicas: Gengis Khan, com seus rios de sangue; Stalin, na megalomania que suprimiu liberdades e massacrou indefesos; Hitler, na ânsia genocida contra raças...

No polo oposto à perseverança, há aqueles que titubeiam e, às vezes, nem dão o primeiro passo. Quando o fazem, constroem uma geografia de tropeços e quedas, e nunca se erguem; costumam abandonar seus propósitos nos primeiros reveses. A vida lhes é um sítio inóspito, indevassável, que não vale a pena atravessar. Se, porventura, alçam, por estranhas e inexplicáveis contingências da vida, a altos cargos, posições de chefia, tornam-se coveiros das organizações. Os exemplos são muitos nos cenários político, institucional, empresarial...

A perseverança qualifica a vontade, dá-lhe substância energética duradoura, porém não constitui elemento isolado na contextura humana. Situa-se no bojo de valores, entrelaça-se, tendo por base a lei regente universal – o Amor – com a fé, inteligência, coragem e serenidade. O perseverante vai, avança e alcança o cume. Mas não é um tresloucado que mergulha em abismos nem se enreda por cipoais e armadilhas inexpugnáveis. Sem embargo da coragem que lhe é peculiar, sabe dimensionar suas estratégias, lincear os horizontes, recompor veredas ou até mesmo recuar. Assim, perseverança não se coaduna com inteligência curta. A assimilação da perseverança, como valor de caráter, deve compor o espectro educacional do indivíduo a partir da infância. Se assim for feito, estaremos forjando cidadãos para a vida. Seres humanos úteis na construção de uma humanidade de elevado nível consciencial. Seres que, tendo por estrela-guia o êxito, não fogem, não fracassam, nem se corrompem.

Klinger Sobreira de Almeida, Mil. Ref – membro efetivo da ALJGR/PMMG
-
 http://academiadeletrasdobrasildeminasgerais.blogspot.com.br/2016/05/6119-soneto-verdade-xv-da-serie.html
-

http://www.recantodasletras.com.br/sonetos/5593198
-