quarta-feira, 16 de novembro de 2016

SONETO À VERDADE-Temperança-Atitude Cardeal- (XXVIII da Série-Noneto-Poético-Teatral Nº 56-Soneto-nº 6.186 Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil-Texto de Klinger Sobreira de Almeida

-

SONETO À VERDADE-Temperança-Atitude Cardeal-
(XXVIII da Série) -(Rastreando a Verdade)
-
Noneto-Poético-Teatral Nº 56-Soneto-nº 6.186
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil
Comentando reflexões de Klinger Sobreira de Almeida:
(Temperança: Fator de Equilíbrio da Vida).
-
Sábio não age sem pensar, voz cala,
pois tem domínio próprio na jornada;
moderação criada, justa fala:
-Tempero certo tem amor, por gala.
-
Intemperantes sofrem numa vala,
com álcool, fumo, orgia vão ao nada;
a consciência impura, não faz sala!
Lição na Bíblia, autoajuda é dada.
-
Educação evita “mix” processo:
desequilíbrio traz a dor futura,
comer, beber e sexo em excesso...
-
Obra Divina tem valor incrível;
o corpo humano pede mente pura:
-Na temperança há zelo de alto nível.
-
(*)METODOLOGIA deste SONETO
Soneto-Clássico-sáfico-heroico; com sílabas fortes//
na 4ª, 6ª, 8ª; 10ª sílabas - Rimas: ABAB, ABAB,CDC, EDE;
Noneto com 9 solos: jogral-teatral-toante-cantante-poético:
CORO:Rimas: AACEE-somente uma voz com apenas
5 instrumentos musicais.
SOLOS: Rimas: BAB-BAB-DC-D-9 vozes acompanhadas
por solos de instrumentos musicais.
(Noneto musical criado por Villa Lobos)
(Noneto poético recriado por Silvia Araújo Motta)
Mensagem conclusiva no 14º Verso( Último do segundo terceto).
-
http://www.recantodasletras.com.br/sonetos/5799353
-
6188-Tema: TEMPERANÇA EM TROVAS
-
TROVAS de nº 2.276 a 2290
 Por Sílvia Araújo Motta-BH-MG-Brasil
-
TROVA nº 2.276
TEMPERANÇA, do "latim"
-Moderação do desejo;
guarda o equilíbrio em mim
que em pura atitude vejo.
-
TROVA nº 2.277
Quem pratica a TEMPERANÇA
tem equilíbrio na vida,
"mens sana" faz aliança:
"corpore sano", sem dúvida.
-
TROVA nº 2.278
Sob o domínio do Amor
TEMPERANÇA é uma virtude
que possui justo valor,
moderação na atitude.

-

TROVA nº 2.279
TEMPERANÇA propicia
a evidência do bom fruto,
no gosto que se inicia
no controle do produto.
-
TROVA nº 2.280
É incrível o número de obesos!
Quem não controla o "comer"
pelos excessos de pesos:
-Ai,ai,ai...podem gemer.
-
TROVA nº 2.281
Equilíbrio emocional
pode refletir no peso;
"efeito colateral"
corticoide põe obeso.
-
TROVA nº 2.282
Quem possui EDUCAÇÃO
controla seu PENSAMENTO...
TEMPERANÇA na opção,
não precisa do lamento.
-
TROVA nº 2.283
Nem sempre a alimentação
faz causar a OBESIDADE;
remédios dão reação
que à TEMPERANÇA invade.
-
TROVA nº 2.284
Efeitos desfavoráveis:
-Produtos da INTEMPERANÇA
são sempre desagradáveis;
espantam a esperança.
-
TROVA nº 2.285
Quem exerce TEMPERANÇA
tem PROGRESSO SOCIAL;
equilíbrio tudo alcança,
como fator principal.
-
TROVA nº 2.286
Saúde mental e física
envolve certa mudança;
não há milagre ou mágica
quando TEMPERANÇA alcança.
-
TROVA nº 2.287
Li na "ÉTICA A NICÔMACO"
que exalta o papel do hábito:
entre o prudente e o maníaco
TEMPERANÇA está no espírito...

-
TROVA nº 2.288
Quem age sem desespero,
sem TEMPERANÇA, é verdade:
-Não pratica o exagero
no seu desejo e vontade
.
-
TROVA nº 2.289
Desequilíbrio marcado
ao comer, beber e sexo,
sem TEMPERANÇA é julgado
pelo motivo complexo.
-
TROVA nº 2.290
A TEMPERANÇA transforma,
com cuidado e paciência;
serenidade traz forma,
caráter e tolerância.
-
Belo Horizonte, novembro de 2016



Rastreando a Verdade (XXVIII)
TEMPERANÇA→Fator de Equilíbrio da Vida
Temperança – valor relacionado às exigências e desejos do corpo humano – é uma das virtudes éticas, fundamental e utilitária, preconizada por Aristóteles. Consiste no uso equilibrado dos prazeres derivados do comer, do beber e do sexo. Esta compreensão, não obstante outras vertentes, sedimentou-se através dos tempos.
Especulação metafísica: um dia a alma desce dos páramos incognoscíveis. O homem nasce. Inicia-se a fugaz, mas substanciosa, travessia terrena, e, ao final, uma certeza: o perecimento físico, denominado vulgarmente morte. Para essa jornada, uma “máquina divina”: o corpo material. Este é, com efeito, produto de uma indecifrável e fenomenal engenharia, e a ciência por mais que o adentre, analise-o e penetre seus meandros, não logra descobrir o ponto fulcral: o segredo do Artífice Divino.
Ora, o homem cuida da máquina e de outros bens mobiliários, transitórios e substituíveis, de forma zelosa, para preservar-lhes o funcionamento ótimo. Teria ele o mesmo cuidado na preservação de seu corpo? Teria consciência apurada desse valor?
Colocadas estas questões vitais, cujas respostas deveriam repousar numa mansa e pacífica positividade, constata-se o contrário. Os terráqueos, salvo aqueles que alcançaram elevado nível consciencial, desprezam o corpo, maltratam-no, agridem-no e, às vezes, ignoram suas carências mínimas. Como?  Abusando quantitativamente e/ou qualitativamente na ingestão de alimentos e bebidas e/ou nas práticas sexuais.
Alimento, no seu metabolismo natural – aliado ao consumo da água – é o combustível do corpo. Sua ingestão se processa, a partir do desabrochar da vida, segundo orientação nutricional adequada. Infância e adolescência: alimentação sadia, evitando-se o hábito da gula e a compulsão aos produtos nocivos que abundam no mercado. Concomitantemente, a prática de esportes. Se houver esse zelo que provém principalmente dos pais, avança-se na idade adulta com um corpo sadio.
Esse ideal não tem sido unanimidade, mormente nos dias de hoje: incrível o número de obesos, precocemente colhendo efeitos desfavoráveis. Subjacente, o álcool emerge como acompanhante e, não raro, mistura-se ao fumo e às drogas. Desse mix, o sexo, ao invés atividade saudável e prazerosa, vem como orgia, luxúria e excesso. Então, a deterioração, gradual e paulatina, dos componentes orgânicos.
Sabedoria espiritualista: “a semeadura é livre, mas a colheita, obrigatória”. A partir de certa idade, o intemperante – imoderado, não comedido, que abusou dos prazeres inerentes à alimentação, à bebida e/ou ao sexo – vai recebendo a entrega da encomenda que ele próprio despachou no pretérito: úlcera, cirrose, problemas cardíacos, tumores cancerosos etc. Mens sana in corpore sano: à degradação corporal, funde-se a psíquica. Em decorrência, a vida mergulha em desequilíbrio.
A educação, além de nortear os horizontes da mente, permite às crianças e adolescentes uma vida sadia, valorizando o corpo, este instrumento da alma em trajetória cósmica. A cristalização educacional, por sua vez, ensejará uma consciência elevada nas inflexões do livre-arbítrio na fase adulta, e a temperança, firmemente insculpida na constelação dos valores morais do viajor terreno, constituirá fator de equilíbrio da vida. Eis a verdade cristalina!
Klinger Sobreira de Almeida – Cel. Ref./PMMG, membro fundador ALJGR
  -


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.