segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

CAI AVIAO DA CHAPECOENSE !!! 29/11/2016

-

 6207-O MAIOR ACIDENTE AÉREO DO FUTEBOL-CHAPECOENSES de Santa Catarina  E OUTROS
-
Acróstico in memoriam nº 6207
Por Silvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil
-
O-O acidente aéreo com 71 falecidos em
-
M-Medellín, na Colômbia registra no mundo
A-A passagem terrestre do maior grupo de jogadores e
I-Integrantes da Delegação CHAPECOENSE/SC.
O-Os brasileiros estão de LUTO há tantos dias...
R-Reportagens internacionais ecoam a emoção...
 -
A-A comoção deve ser encaminhada espiritualmente,
C-Com Fé, aceitação e prática dos ensinamentos
I-Incluídos na Bíblia: _ "Vigiai e Orai" (Evangelho de Marcos)
D-Diariamente, refletindo de modo incessante,
E-Esperança do retorno à morada na eternidade;
N-No conforto religioso, após coletivo falecimento...
T-Traduzir a dor em palavras consoladoras? Sim!
E-É possível, a resignação pelo "Descanso em Paz."
 -
A-As falhas apontadas pelos técnicos da aeronáutica
É-Em verdade, não explicarão o plano cósmico!
R-Reconhecemos a Missão que nos levará à vida
E-Eterna, todo o Bem que cada um pode plantar,
O-Os frutos sazonados serão doces ou não...
 -
D-Da fortuna imorredoura espiritual, individual,
O-O consolo mundial aos familiares e amigos
 -
F-Fomos pó ao nascer e ao pó retornaremos:
U-Uma fugaz viagem fazemos nesta terra;
T-Triste é a separação de corpos, mas cremos:
E-Em bem-aventuranças do Sermão do Monte!
B-Belo time de Futebol Campeão, tudo encerra!
O-O universo sem limite vibra as fibras do éter:
L-Limpo, verdadeiro só para os que foram escolhidos.
-
Medellín, Colômbia, 30 de novembro de 2016.
-
Saiba mais:
Transmitido ao vivo em 29 de nov de 2016

VEJA TUDO SOBRE O ACIDENTE DO AVIÃO DA CHAPECOENSE !!
O avião que transportava a delegação da Chapecoense, para Medellín, local do primeiro jogo da decisão da Copa Sul-Americana, desapareceu do radar e sofreu um acidente em Cerro Gordo, nas cercanias da cidade de La Unión. As informações foram confirmadas pelo próprio aeroporto da cidade colombiana.

Quatro ambulâncias se deslocaram para o local, e habitantes também auxiliaram nos primeiros socorros. De acordo com comunicado emitido por volta das 4h30 (de Brasília) pelo Aeroporto José Maria Córdova, seis pessoas foram resgatadas.

As ambulâncias com os primeiros feridos chegaram ao Hospital San Juan de Dios de La Ceja por volta das 5h (de Brasília).

O primeiro sobrevivente a ser atendido no hospital foi o lateral esquerdo Alan Ruschel, que chegou consciente ao local e conversando com os funcionários do local.

"Há alguns jogadores que sobreviveram. Machucados, mas sobreviveram. Trabalho agora é de superar as dificuldades do caminho para trazê-los aqui", disse Kaleth Gutierrez, Capitão do Corpo de Bombeiros. "São muitos sobreviventes", destacou, em entrevista à Rádio 730.

Os bombeiros do local transportaram 15 feridos até o momento - os encontrados em pior estado e dos quais conseguiram acesso. A região do acidente é isolada, o terreno montanhoso e as péssimas condições do tempo dificultam o trabalho de resgate.

O avião de matrícula CP2933 * transportava 81 pessoas; entre tripulação, jogadores, comissão técnica, diretoria e jornalistas. A delegação brasileira viajava rumo a Medellín, cidade na qual a Chapecoense iniciaria nesta quarta-feira a briga pelo primeiro título continental diante do Atlético Nacional...

-

Sobreviveram à queda seis pessoas. Entre eles, estão os jogadores Alan Ruschel, Follmann, que teve uma perna amputada, e Neto, que está em estado crítico. Também foram resgatados com vida o jornalista Rafael Henzel, o técnico da aeronave Erwin Tumiri e a comissária de bordo Ximena Suarez.
-

Uma gravação divulgada pela imprensa colombiana nesta quarta mostra conversa entre um dos pilotos do voo em que ele pede prioridade à controladora de tráfego aéreo justamente em razão da falta de combustível e de pane elétrica. Bonilla afirmou que a equipe de investigação já tem todas as transcrições das conversas entre o voo da LaMia e o controle de tráfego aéreo.
Na última posição em que foi identificado pelos radares colombianos, ainda de acordo com Bonilla, o avião estava mais baixo do que deveria estar: 2.743 metros (9.000 pés), quando a altitude mínima a ser mantida na região era de 3.048 metros (10 mil pés). A necessidade de se manter a determinada altitude acontece em consequência das montanhas no entorno de Medellín.
A análise dos dados das caixas-pretas, já recuperadas, permitirá saber a razão pela qual o piloto estava fora da altitude correta. O equipamento registra as conversas a bordo da cabine de comando e também o o comportamento dos instrumentos e motores da aeronave nos momentos anteriores à queda. O trabalho, no entanto, pode levar meses
Fonte:
http://g1.globo.com/mundo/noticia/todos-71-mortos-na-queda-do-aviao-da-chapecoense-sao-identificados.ghtml