terça-feira, 18 de outubro de 2011

LINK:Cadeira nº 02/ALB-MG-SILVIA DE LOURDES ARAÚJO MOTTA-PhI- Profa. Dra.Filosofia/Língua Portuguesa/Pedagogista

LINK:

http://academiadeletrasdobrasildeminasgerais.blogspot.com/2011/07/silvia-de-lourdes-araujo-motta_07.html

Cadeira nº 02/ALB-MG-SILVIA DE LOURDES ARAÚJO MOTTA-PhI-
Profa. Dra.Filosofia/Língua Portuguesa/Pedagogista
PATRONO: DJALMA ANDRADE

´PRESIDENTE-PRO-TEMPORE DA ALB:
De 21-09-2010 a 23-08-2011

PRESIDENTE-FUNDADORA-VITALÍCIA DA ALB-MG:
a partir de 23-08-2011

-*-


PATRONO DJALMA ANDRADE:




DJALMA ANDRADE
NasceU: 3 de dezembro de 1891
Faleceu: 12 de maio de 1975
-
Acróstico-biográfico nº 0017
Por Sílvia Araújo Motta
-
D_De Congonhas de Campo, o grande mineiro,
J_Justamente com pseudônimo “Guilherme Tell”
A_Assinou também “Félix Arruda”. Escritor.
L_Lecionou História no Colégio Estadual.
M_Mestre Católico defendia a tradição à Moral.
A_Autor de Trovas de fina malícia e humor.
-
A_Acadêmico da AML, Presidente, Imortal,
N_No Curso de Literatura Brasileira, Professor..
D_Definido Clássico-Lírico-Sonetista, sem igual
R_Revelou-se crítico-satírico, Jornalista.
A“Ato de Caridade”, soneto-universalista!
D_Deixou ricas obras: “Vinha Ressequida”...
E_Epigramas, versos para toda a Vida.
-
2º Sucessor da Cadeira 9 da AML
Patrono:Josaphat Bello
Patrono da Cadeira 01
Área: Letras.
Seção: Poesia.
Ocupada por Juraceí Barros Gomes.

Belo Horizonte, 15 de dezembro de 2002.
Silvia Araujo Motta
Enviado por Silvia Araujo Motta em 10/11/2005
Código do texto: T69708
Publicação: http://www.recantodasletras.com.br/acrosticos/69708
-

" Djalma Andrade "

BREVE BIOGRAFIA:

Nasceu em Congonhas, Minas Gerais.
Formado em Direito. Nomeado promotor de Justiça
em Ouro Preto, não tomou posse para dedicar-se ao
jornalismo e as letras. Atuou em quase todos os jornais
e revistas em Belo Horizonte. No Estado de Minas
assinava a coluna "A História Alegre de Belo Horizonte".
Membro da Academia Mineira de Letras e da Academia
de Lisboa.

Bibliografia:

“Versos Escolhidos” - 1935
“Poemas de Ontem e de Hoje” – 1937
“Sátiras”
“Cartuchos de Festim”
“Poemas Escolhidos”
“Versos Escolhidos e Epigramas” -1945

Teve diversos livros com edições esgotadas em especial a
última em 1986. Faleceu aos 83 anos.


(Antologia da Nova Poesia Brasileira
J.G . de Araujo Jorge - 1a ed. 1948 )
FONTE:
http://www.jgaraujo.com.br/antologia/djalma_andrade.htm

---***---

HINOS

O primeiro hino do Clube Atlético Mineiro representou as nossas cores entre os anos de 1928 e 1968.

Em 1969, a diretoria Atleticana encomendou ao compositor Vicente Motta o "Hino ao Clube Atlético Mineiro".

Idolatrado pela torcida, tornou-se o mais cantado em estádios no Brasil.
Em 1976, em Nápolis, na Itália, houve um concurso mundial de hinos de clubes de futebol e o do Galo foi o vencedor, passando a ser considerado o mais belo hino de um clube de futebol do mundo.
Vicente Motta também compôs os hinos dos dois clubes sociais, Labareda e Vila Olímpica.

Hino Oficial
Primeiro Hino do Galo
Hino do Labareda
Hino da Vila Olímpica

-*-

PRIMEIRO HINO DO GALO

O primeiro hino oficial do Clube
foi composto em 1928,
com música de Augusto César Moreira
e letra de DJALMA ANDRADE.

O Atlético em valentes combates
Sai dos campos coberto de glórias
E na luta, nos grandes embates
Que ele tem conquistado vitórias.

Alvinegro pendão de vitórias
A cidade te aplaude altaneira
Cada dia que passa mais glórias
Vem pousar sobre a nobre bandeira

Se a cidade o proclama altaneira
é que o povo lhe rende justiça
se entre palmas desfralda a bandeira
Entre louros a tira da liça

É o querido dos fados, da sorte
Não encontra nos campos rival
toda gente proclama o mais forte
o mais nobre, o mais bravo e leal
Fonte para ouvir este HINO:
http://www.atletico.com.br/site/cam/primeiro_hino

---***---




BELO HORIZONTE

POETA DJALMA ANDRADE

Belo Horizonte, glória ao mineiro!
Bendito o esforço da sua mão,
Que traça linhas no solo agreste
E faz cidades nascer do chão.

Glória ao mineiro de sãs virtudes
Que as tempestades sabe afrontar,
Que faz cidades de ruas retas
Porque esse é o jeito do seu andar.

Belo Horizonte, fonte de vida,
Chegam enfermos em procissões!
Só com a magia desses teus ares,
Fazes milagres, ressurreições.

Árvores verdes, fortes, tranquilas,
Que afrontam firmes o temporal,
Como soldados postos em filas
Numa parada descomunal.

Belo Horizonte, conto de fadas!
Luta o mineiro na grande Minas,
E eis que a cidade surge do nada,
Tal qual o mundo das mãos divinas.

---***---


PODE ENTRAR, QUE A CASA É SUA

POETA DJALMA ANDRADE

Minas… Igrejas e sinos
De sons puros, cristalinos…
Pompas… Passado de glórias…
Cidades velhas, velhinhas,
Com ternura de avozinhas,
Que contam lindas histórias.

Minas… As velhas fazendas
Cheias de casos e lendas
De uma era sombria, escura…
E Minas das claras fontes,
Dos rasgados horizontes,
Minas do pão, da fartura.

Minas… as longas estradas
Nos duros morros cravadas…
Gente forte à luta afeita!
Carros gemendo e cantando,
Serras e montes galgando,
Na alegria da colheita.

Minas… Repiques festivos,
A banda, dobrados vivos
Rompe com fúria infernal…
Foguetes, o largo cheio…
Todo o povo alegre veio
Para a festa no arraial.

Minas… É o lar que se agita
Gente de fora, visita,
Todos à porta da rua…
Sorriso franco e bondoso,
Lá dentro o café cheiroso:
– Pode entrar, que a casa é sua.

---***---


MINHA TERRA

POETA DJALMA ANDRADE

Ó turista errante a caminhar à toa,
Olhos fatigados de mirar Paris,
Vem ver minha terra como é clara e boa,
Vem ver minha gente a trabalhar feliz!

Vem ver minha Minas como é linda e calma,
Ó turista errante, vai andando ao léu…
Que este clima puro robustece a alma,
- Sobe estas montanhas que acharás o céu.

Esta é Vila Rica, uma cidade exemplo,
Pisa bem de leve, passa devagar,
Ó turista errante, esta cidade é um templo.
Quem não tem vontade, Santo Deus, de orar!

Homens formidáveis que curtiram travos
Por aqui passaram, por estes recantos:
- Dizem as histórias que eles foram bravos,
Eu às vezes penso que eles foram santos.

Olha estas imagens, olha-as com carinho,
Santos semelhantes parecendo irmãos,
Foram todos feitos pelo Aleijadinho,
O monstruoso génio que não tinha mãos.

Olha estas ermidas, vasos, esculturas,
As capelas lindas, com seus lindos santos…
Quando chega maio, que alegria puras!
Cobrem-se de flores, enchem-se de cantos.

Esta é Diamantina, outrora onipotente,
Este é o Sabará gentil dos meus avós:
- São cidades mortas para toda a gente,
São cidades santas para todos nós.

Vem ver as mineiras, lindas esperanças,
Do seu peito brando é que a bondade emana;
Têm a singeleza de ovelhinhas mansas,
E o caráter de aço da mulher romana.

Vem ver o mineiro a levantar cidades,
Na labuta austera, cheio de virtude:
- o meu povo vence sem mostrar vaidades,
Minas se engrandece no trabalho rude.

Olha estas montanhas, têm o aspeto rudo,
São de ferro e aço, valem um tesouro!
- Aço e ferro juntos formam um escudo
A guardar de Minas o caráter de ouro.

Ó turista errante, a tua jornada encerra,
Não verás, por certo, entre países mil,
Terra mais bonita do que a minha terra,
Terra mais pujante do que o meu Brasil!

Fonte:
http://veredasdomeucaminho.blogspot.com/2011/01/tres-poemas-de-djalma-andrade.html

---***---

BIBLIOTECA PÚBLICA DJALMA ANDRADE EM CONGONHAS DE CAMPO:
28/09/2011 11:06

A Biblioteca Pública Municipal Djalma Andrade, em parceria com a Fundação Banco do Brasil, realiza nos dias 26 a 30 de setembro, a Exposição Marechal Rondon, a construção do Brasil e a causa indígena. Marechal Rondon foi militar, sertanista e criador do Serviço Nacional de Proteção aos Índios.

“O objetivo da exposição é aumentar a cultura geral da população e mostrar como foi a vida de Marechal Rondon, que faz parte na grade curricular das escolas”, explica a diretora da Biblioteca, Simone Aparecida Andrade.

Na exposição serão exibidos banners contando a importância que Marechal Rondon e a nação indígena tiveram para a formação do Brasil. Além disso, atividades, como exibição de vídeos sobre o tema, serão monitoradas pelos funcionários da Biblioteca de 8h às 11h e de 14h às 17h.

A Exposição será realizada na sede da Biblioteca, à Rua Alterosa nº 25, na Vila Andreza. O horário de visitação é de 8h às 20h

Fonte:
http://www.congonhas.mg.gov.br/mat_vis.aspx?cd=6517
http://pt-br.facebook.com/PrefeituradeCongonhas?sk=notes

---***---


MEU FILHO

POETA DJALMA ANDRADE

O meu filho, que é doce,que é inocente,
Quando comigo sai, luz que fascina,
Põe seus claros pezinhos, brandamente,
Nas marcas dos meus pés, na areia fina.

Ele segue-me os passos, inconsciente,
Mas uma estranha angústia me domina,
E calcando os meus pés mais firmemente
Meu coração, aos poucos se ilumina.

Sem saber, tu me obrigas, filho amado,
A procurar a rota mais segura,
A ter firmeza em cada passo dado.

Nunca dirás - que horror n'alma me vai!
Que te perdeste numa estrada escura
Por seguires os passos de teu pai!"

Fonte:
http://www.arnaldogodoy.com.br/2009/poesias_7.html

---***---
COMENTÁRIO:

O poeta mineiro Djalma Andrade tem um soneto que acaba mais ou menos assim:

"se entre os amigos encontrei cachorros,
entre os cachorros encontrei-te, amigo".

http://www.releituras.com/rubembraga_bruno.asp

---***---

Antologia com Djlama Andrade
http://www.autenticaeditora.com.br/download/capitulo/20100423103201.pdf

---***---


ARTISTA

POETA DJALMA ANDRADE

Que graças pões, Maria, e que cuidado
No arranjo e na feitura do teu ninho!
Eu nunca vi um quarto de noivado
Feito com arte tal, com tal carinho...


Nas fronhas lindas e no cortinado,
Na alvura dos lençóis de puro linho,
Transparece o teu gosto requintado.
Benditas sejam tuas mãos de arminho!


No teu leito há talento, eu te asseguro,
E ninguém poderia, amor, supô-lo:
— Em tão pequena coisa, tanto apuro...


E eu penso vendo o teu bom gosto e zelo,
Se tal arte tu mostras em compô-lo
Que perícia terás em revolvê-lo!...

Fonte:
http://www.revista.agulha.nom.br/@dj01.html
---***---

A primeira versão do hino do Atlético Mineiro é de 1928, composta pelo poeta Djalma Andrade e a sua letra era uma homenagem ao então presidente do clube, Leandro Castilho de Moura Costa. Você encontra a letra deste hino no Muita Música.

Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/3099-desktop-personalizado-atletico-mineiro.htm#ixzz1dAY9CJqS

O atual hino do Galo foi composto em 1969 por Vicente Motta. A diretoria do clube queria uma canção que enaltecesse as grandes conquistas do time e a sua raça em campo.

Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/3099-desktop-personalizado-atletico-mineiro.htm#ixzz1dAYE6O35

---***---