sexta-feira, 30 de setembro de 2011

SOCIEDADE DOS MÉDICOS ESCRITORES-MINAS GERAIS


Programa

Programa da IV Jornada Guimarães Rosa

14 de outubro de 2011: Sexta-feira

14:00h - Abertura: Dr. José James de Castro Barros: presidente Sobrames-MG
Apresentação musical: Turnê Coral Canto e Vida
14:45 às 16:15h - Apresentação dos trabalhos selecionados: ensino médio
16:15 às 16:45h - Conferência: Redescobrindo Joãozito em seus escritos
Maria Auxiliadora Gonçalves de Souza Campos – AFAL
16:45 às 17:15h - Intervalo para café
17:15 às 19:00h - Apresentação dos trabalhos selecionados: universitários
19:00 às 19:30h - Conferência: A plumagem das palavras em Guimarães Rosa
Dr. Marco Aurélio Baggio – AMM, Sobrames, Abrames, Arcádia, IHGMG, UBE
19:30 às 21:30h - Apresentação dos trabalhos selecionados: escritores
21:30h - Turnê Coral Canto e Vida

15 de outubro de 2011: Sábado
9:00 às 10:15h – Premiação dos concursos
Estudantes de Nível médio: Antonio Carlos Guimarães, AFAL
Universitários: Prof. Ernesto Lentz de Carvalho Monteiro, AMM e Sobrames
Escritores: Dr. Marco Aurélio Baggio
10:15 às 11:45h - Mesa Redonda: Guimarães Rosa: vida e obra
Prof. Eugênio Marcos Andrade Goulart – FMUFMG
Prof. Geraldo Magela Gomes da Cruz – FCMMG
Prof. Luiz Otavio Savassi Rocha – FMUFMG
11:45h - Homenagem a Dona Enny Guimarães de Paula

Encerramento: Coral Grupo Claridade Musical
Organização e apoio: Sobrames, Sobrames-MG, FMUFMG, AMMG, CRMMG, AFAL, Abrames, Arcádia de MG, IHGMG, AMM

MELHORES INFORMAÇÕES:
http://sobramesmg.org.br/novo/iv-jgr-e-cgr2011/iv-jgr-programa

--

Leia a íntegra no site: http://www. sobramesmg.org.br/novo/academia-m-m

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

O GOVERNADOR DE MINAS GERAIS INAUGURA PLACA NA SALA ONDE CONCEIÇÃO PILÓ-A ETERNA CURADORA DO PALÁCIO DA LIBERDADE -TRABALHOU POR 30 ANOS


---***---


---***---



AGENDA DO GOVERNADOR DE MINAS GERAIS
Dr. Antonio Augusto Junho Anastasia

DIA: 29/09/2011
INAUGURAÇÃO DE PLACA EM HOMENAGEM À EX-CURADORA DO PALÁCIO DA LIBERDADE, DONA CONCEIÇÃO PILÓ:
QUE RECEBE O TÍTULO :

ETERNA CURADORA
DO PALÁCIO DA LIBERDADE

LOCAL: PALÁCIO DA LIBERDADE
HORÁRIO: 09:00 horas

http://www.agenciaminas.mg.gov.br/agenda-do-governador


--***---

GOVERNO FAZ HOMENAGEM A DONA CONCEIÇÃO PILÓ, EX-CURADORA DO PALÁCIO DA LIBERDADE

Durante a cerimônia, o governador destacou o trabalho e o zelo da ex-curadora durante os 30 anos dedicados ao cuidado e conservação do prédio histórico do Palácio da Liberdade, construído em 1897.

"Dona Conceição era especialíssima: pessoa generosa, a imagem de uma artista que não existe mais, dedicada às artes pela sua cultura, pelo amor à toda forma de manifestação do belo e do estético. Dona Conceição pintora, poetisa, artista, acadêmica e, sobretudo, curadora. Ela fez do Palácio da Liberdade a sua segunda casa e, por isso, deve receber a homenagem de todos os mineiros, porque essa é a casa do povo de Minas", afirmou Anastasia.

Dona Conceição iniciou seu trabalho no Liberdade na década de 1980, convidada pelo governador Francelino Pereira para cuidar do acervo da sede do Executivo estadual, hoje patrimônio cultural dos mineiros.

Dedicada, era profunda conhecedora da história e dos acontecimentos que tiveram o Palácio da Liberdade como palco. Publicou vários livros, entre eles "Palácio da Liberdade", onde discorre sobre a história, arquitetura e o acervo do prédio.

Fonte:
http://www.iof.mg.gov.br/cultura/cultura/Governo-faz-homenagem-a-Dona-Conceicao-Pilo-ex-curadora-do-Palacio-da-Liberdade.html

---***---

CONCEIÇÃO PILÓ ETERNA CURADORA DO PALÁCIO DA LIBERDADE
-
Homenagem acróstica nº 3955
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG
-
C-Conceição Piló recebe Honraria Especial!
O-O Doutor Antonio Augusto Junho Anastasia,
N-Nosso Governador do Estado de Minas Gerais,
C-Com AGENDA prevista, 28-9-2011, às 9:00h
E-Esteve inaugurando a lindíssima PLACA, onde
I-Inesquecível Companheira de Confiança,
Ç-Conceição Piló, trabalhou por 30 anos!
Ã-A homenagem do Governador registra
O-O título in memoriam:Eterna Curadora do
-
P-Palácio da Liberdade.A Solenidade mostra
I-Incondicional reconhecimento à Obra imortal
L-Literoartística, sociocultural, internacional:
Ó-Orgulho dos Familiares e Amigos Mineiros!
-
E-É um privilégio ouvir o pronunciamento oficial
T-Termo de apresentação de gratidão, sem igual,
E-Emocionado do nosso Governador e também
R-Registramos os agradecimentos da Patrícia:
N-NETA amada, uma das filhas de Berenice Piló;
A-As palavras entravam livres em cada coração...
-
C-Com Joãozinho e Berenice descerrando a placa...
U-Um momento de emoção, passeou no ambiente!
R-Realização merecida à querida Conceição Piló!
A-Ali, naquela Sala, onde viveu seu segundo lar:
D-Dizer de sua dedicação não será mais preciso!
O-O que ela fez, a história cuidará de resguardar...
R-Recordamos cada detalhe dos seus ensinamentos!
A-Agora, ela descansa a brilhar no firmamento.
-
D-Diante dos Filhos, irmãos, netos,bisnetos, amigos,
O-O Cerimonial cuidou minuciosamente de tudo!
-
P-Pudemos contar para todos os presentes
A-A honra da indicação da Academia de
L-Letras do Brasil-Seção Minas Gerais com
Á-Aprovação do Conselho Superior Internacional,
C-Concedendo à Conceição Piló, o Título de
I-Imortal Escritora-PATRONA da Cadeira nº 40
O-Onde a ALB-MG fez o registro Cartório/BH.
-
D-Data de 23 de agosto de 2011, nossa ALB-MG
A-Aqui, em Belo Horizonte daria posse à escritora.
-
L-Liberdade Divinal pôs desígnios à imortalidade!
I-Impossível será esquecer desta Amiga-Poeta,
B-Boníssima Senhora Segunda-Mãe, na verdade,
E-Eleita por tantas pessoas...Nas Academias
R-Reconhecida pela sua cultura, nas Exposições
D-De Arte e Declamações, aplaudida tantas vezes!
A-A nossa Representante do Governo de Minas
D-Dizia sempre: SOU MUITO FELIZ AQUI
E-Em minha SALA, no Palácio da Liberdade!

-
Belo Horizonte, 28 de setembro de 2011, 9:00h.
-
Nota:
Na oportunidade, os convidados especiais: Presidente-Fundadora da ALB-MG- Sílvia Araújo Motta e Dr. João Wilton Alves- Membro da Diretoria 2011-2013, abriram a Bandeira da ALB-MG e entregaram ao Senhor Governador, um livro de memórias de Conceição Piló e um CD de Músicas, gravadas por ele.
-
http://academiadeletrasdobrasildeminasgerais.blogspot.com/2011/09/o-governador-de-minas-gerais-inaugura.html
---***---




-*-


-*-

-*-

-*-

-*-

terça-feira, 27 de setembro de 2011

INFORMATIVO 139/2-011-PARA OUVIR E POR AS AÇÕES NA BALANÇA: VALEU A PENA?Valeu a pena? Tudo vale a pena ...se a alma não é pequena.!-INFORMATIVO Nº 139/2011/CBLP /ALB/ Ano 04-28-SETEMBRO DE 2011-SEÇÃO: UTILIDADE PÚBLICA INFORMAÇÕES ALB-MG-



"A grandeza não é a ausência de falhas, mas a vontade de superá-las."
(Mike Murdock)



PARA OUVIR E POR AS AÇÕES NA BALANÇA: VALEU A PENA?Valeu a pena? Tudo vale a pena ...se a alma não é pequena.!-INFORMATIVO Nº 139/2011/CBLP /ALB/ Ano 04-28-SETEMBRO DE 2011-SEÇÃO: UTILIDADE PÚBLICA INFORMAÇÕES ALB-MG-



MAR SALGADO

Fernando Pessoa


Ó mar salgado, quanto do teu sal

São lágrimas de Portugal!

Por te cruzarmos,quantas mães choraram,

Quantos filhos em vão rezaram!

Quantas noivas ficaram por casar


Para que fosses nosso, ó mar!



Valeu a pena? Tudo vale a pena

Se a alma não é pequena.


Quem quer passar além do Bojador.

Tem que passar além da dor.

Deus ao mar o perigo e o abismo deu,

Mas nele é que espelhou o céu.

---***---



---***---

VAMOS NAVEGAR EM CALMARIA
-
Homenagem acróstica nº 3952
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil
-
V-Vamos navegar em calmaria
A-A olhar as gaivotas, no ar...
M-Muitos sonhos, longe da areia,
O-O vento poderá transportar;
S-Saudades, tiraremos do peito!
-
N-No barco ao fundo do navio,
A-A esperança não poderá naufragar!
V-Veremos praias lisas, desertas...
E-E quando estivermos em alto-mar,
G-Grandes ondas saberemos enfrentar;
A-As lágrimas que já enxugamos
R-Revelarão a pequenez humana!
-
E-Esperarei esse dia, apenas a boiar,
M-Mirando a imensidão oceânica...
-
C-Com certeza, esse tempo chegará!
A-A beleza do sol, cedo, irá espalhar
L-Lindos raios interiores que trarão
M-Milhares de luzes para emoldurar
A-Alcandorada missão de pesquisadores,
R-Revelação palpável entre escultores...
I-Iniciaremos nova jornada terrestre,
A-Ao navegar, em mares não navegados.
-
Belo Horizonte, 27 de setembro de 2011.

---***---





---***---

TRANPOR BARREIRAS COM PAZ E ALEGRIA
-
Acróstico especial nº 3953
Por Silvia Araújo Motta/BH/MG
-
T-Tranpor barreiras com paz e alegria,
R-Relevar as correntezas da mágoa e dor,
A-Ajudam a buscar nova pauta e sinfonia
N-Nas partituras, com notas de Sol Maior...
S-Sofrimentos passam como tudo passa...
P-Promessa de vida vem ao amanhecer
O-Ostentar o prazer de eterna esperança;
R-Referência de encontro do porto seguro.
-
B-Braços abertos ao abraço do perdão e
A-A mente consciente com pés no chão...
R-Resgatam sonhos para a realização!
R-Recomeçar sempre é farol ao futuro!
E-Esperar de braços cruzados? Jamais!
I-Irmanados entre poetas e escritores
R-Rendemos passaportes em Minas Gerais;
A-A partir do convite, vamos com alegria!
S-Sorriso amigo dilui nossas dificuldades!
-
Belo Horizonte, 28 de setembro de 2011.

---***---



---***---

MÚSICA: IMAGINE

JOHN LENNON

Imagine there's no heaven
Imagine não haver o paraíso
It's easy if you try
É fácil se você tentar
No hell below us
Nem inferno abaixo de nós
Above us only sky
Acima de nós, só o céu
Imagine all the people
Imagine todas as pessoas
Living for today
Viver por hoje

Imagine there's no countries
Imagine não haver nenhum país
It isn't hard to do
Não é difícil imaginar
Nothing to kill or die for
Nenhum motivo para matar ou morrer
And no religion too
E nem religião, também
Imagine all the people
Imagine todas as pessoas
Living life in peace
Vivendo a vida em paz

You may say I'm a dreamer
Você pode dizer que eu sou um sonhador
But I'm not only one
Mas eu não sou o único
I hope some day you'll join us
Espero que um dia você se junte a nós
And the world will be as one
E o mundo viverá (será) como um só

Imagine no possessions
Imagine não haver posses
I wonder if you can
Eu me pergunto se você consegue
No need for greed or hunger
Sem a necessidade de ganância ou fome
A Brotherhood of man
Uma irmandade dos homens
Imagine all the people
Imagine todas as pessoas
Sharing all the world
Partilhando todo o Mundo
You may say I'm a dreamer
Você pode dizer que eu sou um sonhador
But I'm not only one
Mas eu não sou o único
I hope some day you'll join us
Espero que um dia você se junte a nós
And the world will be as one
E o mundo viverá (será) como um só

.......................... xxx ..........................

Imagine não haver o paraíso
É fácil se você tentar
Nem inferno abaixo de nós
Acima de nós, só o céu
Imagine todas as pessoas
Viver por hoje

Imagine não haver nenhum país
Não é difícil imaginar
Nenhum motivo para matar ou morrer
E nem religião, também
Imagine todas as pessoas
Vivendo a vida em paz

Você pode dizer que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Espero que um dia você se junte a nós
E o mundo viverá como um só

Imagine não haver posses
Eu me pergunto se você consegue
Sem a necessidade de ganância ou fome
Uma irmandade dos homens
Imagine todas as pessoas
Partilhando todo o Mundo

Você pode dizer que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Espero que um dia você se junte a nós
E o mundo será como um só.



Fonte: http://pt.shvoong.com/books/505302-m%C3%BAsica-imagine-ingl%C3%AAs-portugu%C3%AAs/#ixzz1ZMIFttRz

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

HINO DA ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-SEÇÃO ALB-MG - Letra: Sílvia Araújo Motta/Belo Horizonte/MG Composição Musical: Maestro Ruy Guimarães


---

HINO DA ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-SEÇÃO ALB-MG

-

Letra: Sílvia Araújo Motta/Belo Horizonte/MG

Composição Musical: Maestro Ruy Guimarães

-

REFRÃO:

H-Horizontes são infindos...
A-Arte tem gente capaz.
L-Letras e temas bem-vindos
P-Põem fé! Cultura refaz!
P-PAZ vem na ação relevante...
A-Amor à ciência traz
Z-Zelo a qualquer ambiente.

-

Nova Lição! É bom poder saber
desta vitória em luta por valor;
Na ALB(Naelebê) cultura vê crescer:
planos e ações cultivam puro amor.
-
O grupo planta, cuida e vê colher...
Frutos mineiros trazem bom sabor!
Minas Gerais convida quem quiser;
entusiasmada vibra, espanta a dor:
-
E vale a pena a rede em tal ação,
integração de TODOS para o Bem
nos imortais exemplos pra Nação.

-
HALPPAZ tem metas que transformam vidas!
Com liberdade cantam Hino Amém...
Letras escritas devem ser vividas!

-

REFRÃO:

H-Horizontes são infindos...
A-Arte tem gente capaz.
L-Letras e temas bem-vindos
P-Põem fé! Cultura refaz!
P-PAZ vem na ação relevante...
A-Amor à ciência traz
Z-Zelo a qualquer ambiente.

-

Oh! Minas Gerais! Oh! Minas Gerais,

Quem te conhece não esquece jamais

Oh! Minas Gerais!


-----

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

INFORMATIVO 138/2011-QUATRO CONVOCAÇÕES HISTÓRICAS DA ALB-MG FEITAS PELA PRESIDENTE PRO TEMPORE SILVIA DE LOURDES ARAÚJO MOTTA E OUTROS MEMBROS- INFORMATIVO Nº 138/2011/CBLP /ALB/ Ano 04-20-SETEMBRO DE 2011-SEÇÃO: UTILIDADE PÚBLICA INFORMAÇÕES ALB-MG

INFORM.138/2011-CONVOCAÇÕES DA ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-MINAS GERAIS
PELA PRESIDENTE PRO TEMPORE E OUTROS MEMBROS, ANTES DE 23-8-2011.



INFORMATIVO Nº 138/2011/CBLP /ALB/ Ano 04-20-SETEMBRO DE 2011-SEÇÃO: UTILIDADE PÚBLICA INFORMAÇÕES ALB-MG




ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-MINAS GERAIS
CONVOCAÇÃO da PRESIDÊNCIA (Pro Tempore)
TERCEIRA REUNIÃO
Data: 11-06-2011,SÁBADO, às 9horas.

PAUTA:
Para Fundação-Aprovação do Estatuto
e Eleição da Presidência/Diretoria pro tempore

A Acadêmica Sílvia de Lourdes Araújo Motta-Escritora, Poeta, Doutora em Filosofia Universal, Cadeira 2 (dois) de Minas Gerais, Presidente “pro tempore” da ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-ALB de MINAS GERAIS e o Dr. Wyller Bráulio, Escritor, Doutor Imortal, Cadeira 3(três) - Membro da Academia de Letras do Brasil, ALB/Nacional-Membro do Conselho Superior da Academia de Letras do Brasil convocam os acadêmicos aprovados pelo Dr. Mário Carabajal: Presidente Nacional-Fundador da ALB para a fundação, aprovação do ESTATUTO E REGIMENTO INTERNO –ALB-MG, e eleição da Presidência /Diretoria pro tempore da Academia de Letras do Brasil de Minas Gerais a se realizar no dia 11 (onze) de JUNHO de 2011, SÁBADO, às 9h (nove horas) na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais:

Local: Rua Guajajaras 1268-(sobreloja
Fone do IHGMG: 3212 4656

Belo Horizonte, MG, Brasil, quarta-feira, 11 de maio de 2011.

_______________________________________________
Dr. Wyller Bráulio, Escritor, Doutor Imortal, Membro da ALB/Nacional - Do Conselho Superior.Cad.3 da ALB-MG.

_________________________________________________
Sílvia de Lourdes Araújo Motta-Escritora, Poeta, Doutora Imortal-PhI-Cad 02, Presidente “pro tempore” da ALB-MG.

Para melhores esclarecimentos:
clubedalinguaport@gmail.com
(31) 9928 2798

---------------------*----------------------



ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-MINAS GERAIS
CONVOCAÇÃO da PRESIDÊNCIA (Pro Tempore)
QUARTA REUNIÃO
DATA: 22-08-2011, Segunda-feira, de 16:00 horas às 17:00 horas.

PAUTA:
1-Palavra de Sílvia Araújo Motta/
Presidente pro-tempore ALB-MG;
2-Palavra de Dr. Mário Carabajal:
Presidente Nacional e Internacional da ALB;
3-Apresentação de Dr. Manoel Dias de Oliveira
Presidente-Executivo da ALB-MG;
4- Eleição da Presidência/Diretoria-Biênio 2011-2013.

A Acadêmica Sílvia de Lourdes Araújo Motta-Escritora, Poeta, Doutora em Filosofia Universal, Cadeira 2 (dois) de Minas Gerais, Presidente “pro tempore” da ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-ALB de MINAS GERAIS e o Dr. Manoel Dias de Oliveira-Presidente-Executivo da ALB-MG,Escritor Imortal Cadeira 01(HUM) convocam os acadêmicos aprovados pelo Dr. Mário Carabajal-Presidente Nacional-Fundador da ALB, para a eleição da Presidência /Diretoria da ALB-MG Biênio 2011-2013, a se realizar no dia 22 de agosto de 2011, segunda-feira, no horário de 16:00h às 17:00h na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais:

Local: Rua Guajajaras 1268-(sobreloja
Fone do IHGMG: 3212 4656

Belo Horizonte, MG, Brasil, quarta-feira, 15 de julho de 2011.
_________________________________________________
Dr. Wyller Bráulio, Escritor, Doutor Imortal, Membro da ALB/Nacional - Do Conselho Superior.Cad.3 da ALB-MG.
_______________________________________________
Dr. Manoel Dias de Oliveira, Presidente-Executivo da ALB-MG,Escritor Imortal Cadeira 01(HUM).
_________________________________________________
Sílvia de Lourdes Araújo Motta-Escritora, Poeta, Doutora Imortal-PhI-Cad 02, Presidente “pro tempore” da ALB-MG.

Para melhores esclarecimentos:
clubedalinguaport@gmail.com
(31) 9928 2798


---------------------*----------------------


ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-MINAS GERAIS
PRIMEIRA REUNIÃO
CONVOCAÇÃO da PRESIDÊNCIA (Pro Tempore)
para 10-05-2011, às 13h 30min.

PAUTA:
1-Data prevista para Fundação e Instalação
Mensagem enviada por Dr. Mário Carabajal.
2-Relação dos Escritores Imortais de MG aprovados pela ALB.
3-Entrega de Cópias impressas e CDs com Estatuto da ALB.
4-Apresentação da Coletânea Org. por Sílvia Araújo Motta(499 pág.)
Uma contribuição Histórica para ALB-MG
4-Fardão/Traje Oficial da ALB-MG.

A Acadêmica Sílvia de Lourdes Araújo Motta-Escritora, Poeta, Doutora em Filosofia Universal, Cadeira 2 (dois) de Minas Gerais, Presidente “pro tempore” da ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-ALB de MINAS GERAIS e o Dr. Wyller Bráulio, Escritor, Doutor Imortal, Cadeira 3(três) - Membro da Academia de Letras do Brasil, ALB/Nacional-Membro do Conselho Superior da Academia de Letras do Brasil convocam os acadêmicos aprovados pelo Dr. Mário Carabajal: Presidente Nacional-Fundador da ALB para tratar de assuntos relacionados à fundação-Instalação da ALB-MG, ESTATUTO da ALB e ALB-MG, Presidência /Diretoria pro tempore da Academia de Letras do Brasil de Minas Gerais a se realizar no dia 10 (dez) de MAIO de 2011, ÀS 13H 30min na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais:

Local: Rua Guajajaras 1268-(sobreloja
Fone do IHGMG: 3212 4656

Belo Horizonte, MG, Brasil, quarta-feira, 10 deABRIL de 2011.
_______________________________________________
Dr. Wyller Bráulio, Escritor, Doutor Imortal, Membro da ALB/Nacional - Do Conselho Superior.Cad.3 da ALB-MG.
_________________________________________________
Sílvia de Lourdes Araújo Motta-Escritora, Poeta, Doutora Imortal-PhI-Cad 02, Presidente “pro tempore” da ALB-MG.
Para melhores esclarecimentos: (31) 9928 2798
clubedalinguaport@gmail.com


---------------------*----------------------


ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-MINAS GERAIS
SEGUNDA REUNIÃO
CONVOCAÇÃO da PRESIDÊNCIA (Pro Tempore)
para 19-05-2011, às 16:00 horas.

PAUTA:
1-Presidência/Diretoria(pro tempore)
2-Discussão e Sugestões dos Acadêmicos:
Estatuto e Regimento Interno da ALB-MG
Entrega de Cópias impressas da proposta de
Estatuto e Regimento Interno da ALB-MG
e CDs com Estatuto da ALB.
3-Apresentação da Coletânea org. por Sílvia Araújo Motta(499 pág.)
Uma contribuição Histórica para ALB-MG
4-Fardão/Traje Oficial da ALB-MG.

A Acadêmica Sílvia de Lourdes Araújo Motta-Escritora, Poeta, Doutora em Filosofia Universal, Cadeira 2 (dois) de Minas Gerais, Presidente “pro tempore” da ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-ALB de MINAS GERAIS e o Dr. Wyller Bráulio, Escritor, Doutor Imortal, Cadeira 3(três) - Membro da Academia de Letras do Brasil, ALB/Nacional-Membro do Conselho Superior da Academia de Letras do Brasil convocam os acadêmicos aprovados pelo Dr. Mário Carabajal: Presidente Nacional-Fundador da ALB para tratar de assuntos relacionados à fundação-Instalação da ALB-MG, ESTATUTO da ALB e ALB-MG, Presidência /Diretoria pro tempore da Academia de Letras do Brasil de Minas Gerais a se realizar no dia 10 (dez) de MAIO de 2011, ÀS 13H 30min na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais:

Local: Rua Guajajaras 1268-(sobreloja
Fone do IHGMG: 3212 4656

Belo Horizonte, MG, Brasil, quarta-feira, 10 de MAIO de 2011.
_______________________________________________
Dr. Wyller Bráulio, Escritor, Doutor Imortal, Membro da ALB/Nacional - Do Conselho Superior.Cad.3 da ALB-MG.
_________________________________________________
Sílvia de Lourdes Araújo Motta-Escritora, Poeta, Doutora Imortal-PhI-Cad 02, Presidente “pro tempore” da ALB-MG.
Para melhores esclarecimentos: (31) 9928 2798
clubedalinguaport@gmail.com

INFORMATIVO Nº 137/2011/CBLP /ALB/ Ano 04-Dia 20 de SETEMBRO DE 2011-SEÇÃO: UTILIDADE PÚBLICA INFORMAÇÕES ALB-MG-AVALIAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL-INEP-ENEM-ENADE

INFORMATIVO Nº 137/2011/CBLP /ALB/ Ano 04-20-SETEMBRO DE 2011-SEÇÃO: UTILIDADE PÚBLICA INFORMAÇÕES ALB-MG-AVALIAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL-INEP-ENEM-ENADE
-
PUBLICAÇÕES DO INEP

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) tem como missão institucional subsidiar o processo decisório das políticas educacionais. Para isso, produz e dissemina informações de avaliação, estatísticas, bem como estudos e trabalhos relevantes para a comunidade educacional. As publicações produzidas pelo Inep têm como objetivo tornar disponíveis todas essas informações. Aqui, os usuários podem obter os trabalhos editados, que estão organizados conforme a linha editorial do Inep. Eles podem ser buscados por título, autor, resumo, ano e palavras-chave, com a opção de download. É permitida a reprodução total ou parcial das publicações, desde que citada a fonte.
http://www.publicacoes.inep.gov.br/
---***---
PORTARIA INEP Nº 222 DE 26 DE JULHO DE 2011
PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27 DE JULHO DE 2011, SEÇÃO 1, PÁGS. 18 E 19

O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais
Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004; a Portaria Normativa nº 40, de 12 de dezembro de 2007, em sua atual redação; a Portaria Normativa nº 8, de 15 de abril de 2011, e considerando as definições estabelecidas pela Comissão Assessora de Área de Letras, nomeada pela Portaria Inep nº 155, de 21 de junho de 2011, resolve:

Art. 1º O EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES (Enade), parte integrante do
Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), tem como objetivo geral avaliar o desempenho dos estudantes em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares, às habilidades e competências para a atualização permanente e aos conhecimentos sobre a realidade brasileira, mundial e sobre outras áreas do conhecimento.

Art. 2º A prova do Enade 2011, com duração total de 4 (quatro) horas, terá a avaliação do componente de FORMAÇÃO GERAL COMUM aos cursos de todas as áreas e um componente específico da área de LETRAS.

Art. 3º As diretrizes para avaliação do componente de Formação Geral se encontram definidas na Portaria Inep nº 188, de 12 de julho de 2011.

Art. 4º A PROVA DO ENADE 2011, no componente específico da área de Letras, terá por OBJETIVOS:

I - avaliar o desempenho em termos de competências e habilidades essenciais à atuação como cidadão e profissional crítico, criativo e ético;

II - avaliar a aquisição, o desenvolvimento e o aprofundamento de competências e habilidades para:

a) analisar diferentes linguagens, em especial a verbal, nas modalidades oral e escrita;

b) compreender e analisar manifestações culturais e artísticas, especialmente as literárias;

c) comunicar-se em língua portuguesa, interpretando e produzindo discursos em diferentes modalidades e em diferentes situações sociolinguísticas;

d) compreender e analisar a organização e o funcionamento dos vários componentes linguísticos, bem como sua estrutura e processos;

e) refletir sobre os processos de compreensão leitora;

f) analisar e compreender os processos de produção de textos, nas modalidades oral e escrita;

g) ler e produzir textos adequados a diferentes situações discursivas;

h) analisar criticamente os conteúdos referentes a estudos linguísticos e literários e à formação profissional;

i) abordar criticamente as perspectivas teóricas adotadas nas investigações linguísticas e literárias;

j) compreender a formação profissional como processo contínuo, autônomo e permanente, à luz da dinâmica do mercado de trabalho e das inovações tecnológicas.

Art. 5° A prova do Enade 2011, no componente específico da área de Letras, tomará como referência o seguinte PERFIL DO PROFISSIONAL:

I - competência intercultural, evidenciada na capacidade de lidar, de forma crítica, com diferentes linguagens, especialmente a verbal, tendo em vista a inserção do profissional na sociedade e
suas relações com os outros;

II - domínio do uso da língua portuguesa, nos registros oral e escrito, em termos de estrutura, funcionamento, variedades linguísticas, literárias e culturais;

III - capacidade de refletir teoricamente sobre a língua e sobre a literatura, de pensar criticamente sobre os temas e questões relativos aos conhecimentos lingüísticos e literários, bem como
de compreender a formação profissional como processo contínuo, autônomo e permanente;

IV - domínio, no que diz respeito às licenciaturas, das teorias de aquisição de línguas e de metodologias de ensino de línguas e literaturas;

V - conhecimento das tecnologias da informação e da comunicação.

Art. 6° A prova do Enade 2011, no componente específico da área de Letras, AVALIARÁ SE O ESTUDANTE DESENVOLVEU, NO PROCESSO DE FORMAÇÃO, AS SEGUINTES COMPETÊNCIAS E HABILIDADES:

I - domínio da norma padrão da língua portuguesa nas modalidades oral e escrita;

II - uso adequado da língua em diferentes situações de comunicação;

III - reflexão analítica e crítica sobre a linguagem como fenômeno social, psicológico, educacional, histórico, cultural, político e ideológico;

IV - visão crítica das perspectivas teóricas adotadas nas investigações linguísticas e literárias, que fundamentam sua formação profissional;

V - percepção de diferentes contextos interculturais;

VI - domínio de teorias de aquisição de línguas;

VII - domínio de metodologias de ensino de línguas e literaturas;

VIII - uso das tecnologias da informação e da comunicação.

Art. 7º A prova do Enade 2011, no componente específico da área de Letras, tomará como referencial os seguintes CONTEÚDOS CURRICULARES:

I - Estudos linguísticos:

a) formação histórica interna e externa da língua portuguesa;

b) fonologia, morfologia e sintaxe da língua portuguesa;

c) aspectos lexicais, semânticos, pragmáticos e discursivos da língua portuguesa;

d) aquisição da linguagem oral e escrita;

e) processos de leitura e produção de textos;

f) sociolinguística;

g) psicolinguística;

h) linguística textual e análise do discurso;

i) gêneros do discurso.

II - Estudos literários:

a) conceitos de literatura e cultura;

b) texto, contexto e intertextualidade;

c) especificidade da linguagem literária;

d) períodos literários;

e) inter-relações da literatura com outros sistemas culturais e semióticos;

f) literatura e recepção.

III - FORMAÇÃO PROFISSIONAL:

a) teorias de aquisição e de aprendizagem de língua materna;

b) métodos de ensino de língua materna;

c) teorias e métodos de ensino de literatura;

d) tecnologias da informação e da comunicação;

e) ensino reflexivo.

Parágrafo único. As QUESTÕES DE ESTUDOS LITERÁRIOS DEVERÃO ENFOCAR OS SEGUINTES AUTORES E OBRAS:

I – POESIA:

a) Tomás Antônio Gonzaga;

b) Manuel Bandeira;

c) Carlos Drummond de Andrade;

d) Ferreira Gullar;

e) Oswald de Andrade;

f) Cecília Meireles;

g) Jorge de Lima;

h) Hilda Hilst

i) Adélia Prado;

j) Bocage;

k) Fernando Pessoa.

II - PROSA:

a) José de Alencar – Lucíola;

b) Adolfo Caminha – Bom Crioulo;

c) Machado de Assis – Memorial de Aires;

d) Guimarães Rosa – Miguilim;

e) Érico Veríssimo – Um certo capitão Rodrigo;

f) Clarice Lispector – Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres;

g) Jorge Amado – Capitães da Areia;

h) Luiz Vilela – Tarde da noite;

i) Eça de Queiroz – As cidades e as serras;

j) José Saramago – Ensaio sobre a cegueira;

k) Gabriel García Marquez – Cem anos de solidão;

l) Mia Couto – Terra sonâmbula;

m)Júlio Cortázar – Contos completos;

n) Gustave Flaubert – Madame Bovary;

o) Miguel de Cervantes – Dom Quixote;

p) Émile Zola – Germinal;

q) Pepetela (Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos) – Mayombe.

III – TEATRO

a) Jorge Andrade – Vereda da salvação;

b) Dias Gomes – O pagador de promessas;

c) Moliere – Dom Juan.

Art. 8º A prova do Enade 2011 terá, em seu componente específico da área de Letras, 30 (TRINTA) QUESTÕES, SENDO 3 (TRÊS) DISCURSIVAS E 27 (VINTE E SETE) DE MÚLTIPLA ESCOLHA, envolvendo situações-problema e estudos de casos.

Art. 9º Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.

CARLOS EDUARDO MORENO SAMPAIO.
-
http://proeg.ufam.edu.br/attachments/189_diretrizes_letras_n_222.pdf
http://download.inep.gov.br/download/enade/2011/portaria_normativa_8.pdf
-
http://portal.inep.gov.br/legislacao-2011
-
INFORMATIVO Nº 137/2011/CBLP /ALB/ Ano 04-20-SETEMBRO DE 2011-SEÇÃO: UTILIDADE PÚBLICA INFORMAÇÕES ALB-MG-AVALIAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL-INEP-ENEM-ENADE
------------------------------------
Sílvia Araújo Motta/PhI-Diretoria de Relações Institucionais/DRI/ALB
Presidente –Fundadora –Vitalícia da ALB-MG- 23-08-2011.
-----------------------------------
Prof. Dr. Mário Roberto Carabajal Lopes PhD-PhI–
Fundador-Presidente Nacional e Internacional da ALB/CONFALB
-----------------------------------
Patrono Internacional da ALB:
Miguel Máximo Angel Robles Tejada –PhI-CAUSAS IMORTAIS-
*1922: Venezuela - † 12-Mar-2001: Boa Vista / Roraima / Brasil.
-----------------------------------
Patrono Nacional da ALB: Carlos Reinaldo Carabajal Lopes-PhI
Patrono do CONALB: Carlos Lucas de Sousa-PhI
Patrono Estadual da ALB de Minas Gerais: Affonso Penna, o Presidente da República do Brasil.(*30-11-1847-Santa Bárbara/MG)---(†14-06-1909 RJ).
-------------------------------------
ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL
ALB-PRIMEIRA ACADEMIA MUNDIAL DA ORDEM DE PLATÃO-
Organização Cultural Politicamente Ativa
Instituição Internacional de Cultura –CNPJ - 04.749.257/0001-00
Brasília, Distrito Federal – http://www.academialetrasbrasil.org.br
Atividade Principal:80.30-6/00:
Egrégore literária e científica, formação superior e pesquisas
ALEA JACTA EST-SPENS MENS IN SEMINE
--------------------------------------
Siga-nos:
http://www.academiadeletrasdobrasildeminasgerais.blogspot.com

RESPONSÁVEIS PELA AVALIAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL


---

---


---

http://proeg.ufam.edu.br/attachments/189_diretrizes_letras_n_222.pdf
-
http://download.inep.gov.br/download/enade/2011/portaria_normativa_8.pdf
-
http://portal.inep.gov.br/legislacao-2011

-

http://www.publicacoes.inep.gov.br/
-

http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior

-

Todas as funções da página da
Internet http://enade.inep.gov.br/ estão detalhadas no Manual do ENADE 2011, que foi disponibilizado para cópia por meio do botão Manual do Enade da página da
Internet http://portal.inep.gov.br/manual-do-enade. Siga as orientações do Manual do ENADE 2011 para a operação da página da Internet http://enade.inep.gov.br/.

Recomenda-se não utilizar a tecla ENTER durante a operação da página da Internet http://enade.inep.gov.br/.

Sistema Enade - clique http://enade.inep.gov.br/

http://portal.inep.gov.br/inscricao1
---***---

Os resultados do Ideb por estado, município, estado e região podem ser acessados em http://portal.inep.gov.br/web/portal-ideb.
Equipe técnica da DAEB
http://portal.inep.gov.br/visualizar/-/asset_publisher/6AhJ/content/avaliacao-das-redes-de-ensino-no-brasil?redirect=http%3a%2f%2fportal.inep.gov.br%2f

-

Fala Brasil: 0800-616161
http://portal.inep.gov.br/web/enem/cadastro-de-escolas-novas-enem-2011
---***---

terça-feira, 20 de setembro de 2011

AMIGOS, QUE A PRIMAVERA POSSA FLORIR EM NOSSOS CORAÇÕES: PAZ, UNIÃO, AMOR, ALEGRIAS, PERDÃO, SOLIDARIEDADE, FRATERNIDADE


---***---

SETEMBRO CHEGOU EM PAZ
-
Acróstico primaveril nº 3921
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG
-
S-Se te entreguei toda a esperança
E-É porque trarias uma preferida flor...
T-Tempo de alegrias e de lembrança,
E-Em danças preparadas para o amor;
M-Mandei que o inverno fosse embora...
B-Busquei a fortaleza da Fé no Criador
R-Reformulador de cada cor dos jardins...
O-Ostentando cumprir o sonho agora:
-
C-Coroada Rainha entre as Estações,
H-Honrada, pela plenitude da beleza,
E-És colocada entre as constelações...
G-Garantindo ao Universo e à Natureza
O-O valor da grandeza de tuas doações:
U-Unindo PAZ e emoções entre as Nações.
---SEJA BEM-VINDA PRIMAVERA!---
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil,
Setembro de 2011.




---***---




---***--



---***---

FESTA ANUAL DAS ÁRVORES
-
Acróstico-informativo n º 3929
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil
-
F-Festa Anual das Árvores...
E-Em Decreto Federal tem
S-Seu nº. 55.795 desde 1965.
T-Traduzem em vários países
A-A maior riqueza nacional.
-
A-As sementes, flores, frutos
N-Nascem, crescem em união!
U-Um morrer que gera produtos...
A-Ao renascer dão eterna lição:
L-Libertam-se, retornam ao chão.
-
D-Dia vinte e um de setembro
A-As comemorações especiais
S-Somente são de algumas regiões...
-
Á-A última semana de março é
R-Reservada para outras regiões!
V-Vale ressaltar que as árvores
O-Ostentam, doação, alimentação,
R-Riqueza, com sua exploração...
E-É amiga, doa sombra e proteção:
S-Sem dúvida, tem grandes valores.
-
Belo Horizonte, 21 de Setembro de 2011.

---***---


---***---

Decreto 55795/65 - Decreto nº 55.795, de 24 de fevereiro de 1965
Compartilhe

INSTITUI EM TODO TERRITÓRIO NACIONAL, A FESTA ANUAL DAS ÁRVORES.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando das atribuições que lhe confere o Art. 87, item I da Constituição, DECRETA:

Art 1º Fica instituída em todo o território nacional, a FESTA ANUAL DAS ÁRVORES, em substituição ao chamado "Dia da Árvore" atualmente comemorado no dia 21 de setembro.

Art 2º A Festa Anual das Árvores tem por objetivo difundir ensinamentos sobre a conservação das florestas e estimular a prática de tais ensinamentos, bem como divulgar a importância das árvores no progresso da Pátria e no bem-estar dos cidadãos.

Art 3º A Festa Anual das Árvores, em razão das diferentes características fisiográfico-climáticas do Brasil, será comemorada durante a última semana do mês de março nos Estados do Acre, Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia e Territórios Federais do Amapá, Roraima, Fernando de Noronha e Rondônia;

e na semana com início no dia 21 de setembro, nos Estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro, Guanabara; Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Art 4º As comemorações ficarão a cargo dos Ministérios da Agricultura e da Educação e Cultura.

Art 5º Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Florestal Federal.

Art 6º Este decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Brasília, 24 de fevereiro de 1965; 144º da Independência e 77º da República.
H. CASTELO BRANCO
Hugo de Almeida Leme
Flávio Lacerda
-
http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/116214/decreto-55795-65

---***---



---***---



"VOCES DE PRIMAVERA". Vals. J.Strauss
ORQUESTA FILARMONÍA
Dir: PASCUAL OSA
Auditorio Nacional de Música. Madrid
Grabado y editado por Julio Menor. Sonido directo de videocámara.
Categoria:
Música
Palavras-chave:
VOCES DE PRIMAVERA STRAUSS ORQUESTA FILARMONÍA PASCUAL OSA AUDITORIO NACIONAL MÚSICA MADRID
Licença:
Licença padrão do YouTube

---***---



“Quando Plantamos árvores, plantamos sementes de paz e esperança”
Professora Wangari Maathai, Ganhadora do Prêmio Nobel da Paz 2004, ...

-

"Creio firmemente no valor simbólico da Campanha do 1 Bilhão de Árvores e espero sinceramente que isso venha ao encontro de nossas expectativas, não só no que diz respeito ao bem-estar gerado com plantação das árvores, mas também no benefício das geranções futuras.”
Sua Alteza Real Alberto II, Príncipe Soberano de Mônaco.

-

Quando a última árvore tiver caído,
quando o último rio tiver secado,
quando o último peixe for pescado,
vocês vão entender que dinheiro não se come
Greenpeace

---***---





NOS DIAS 2 E 3 DE JUNHO, GREENPEACE FAZ CAMINHADA PELO CLIMA EM CINCO CIDADES PARA COMEMORAR SEMANA DO MEIO AMBIENTE
Na comemoração da Semana do Meio Ambiente deste ano, o Greenpeace vai convidar a população de cinco grandes cidades brasileiras a usar a cabeça e ajudar a salvar o clima do planeta, participando da “Volta pelo Clima”. As pessoas podem participar de bicicleta, skate, patins ou caminhando. Só não vale ficar parado!

O evento faz parte da campanha Mude o Clima!, que o Greenpeace desenvolve para mobilizar a população no combate ao aquecimento global. A “Volta pelo Clima” acontecerá em Belo Horizonte, Manaus, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo (veja programação abaixo). Durante o evento, voluntários do Greenpeace distribuirão dicas ecológicas como economizar água e eletricidade, combater o desmatamento da Amazônia, reciclar o lixo, dar preferência aos meios de transporte coletivo e a produtos que usem energia de forma eficiente, como as lâmpadas fluorescentes.
“Será uma oportunidade para as pessoas entenderem melhor o que cada um de nós pode fazer para ajudar no combate ao aquecimento global. Com este evento, queremos envolver as pessoas de maneira concreta, incentivando-as a adotarem mudanças positivas de comportamento no seu dia-a-dia”, afirmou Rebeca Lerer, coordenadora da campanha de clima e energia do Greenpeace.
Confira a agenda e participe:
Belo Horizonte:
Dia 02/06, das 9h às 12h, no Parque JK (Av. Bandeirantes)
Manaus:
Dia 03/06, das 9h às 12h, na Academia de Tênis da Ponta Negra
Porto Alegre:
Dia 03/06, das 10h às 17h, no Gasômetro. A caminhada acontece às 15h.
Rio de Janeiro:
Dia 03/06, das 8h às 12h, na Praça Garota de Ipanema, Arpoador
São Paulo:
Dia 02/06, das 8h às 12h, no parque do Ibirapuera (Bolsão próximo ao Museu Afro Brasil)
Não esqueça sua garrafinha de água.
http://mudeomundo.com.br/aquecimento-global/greenpeace-promove-cami...


---***---


---***---
TESTAMENTO DA ÁRVORE VELHA-ÚLTIMO DESEJO.
-
Acróstico espiritualista nº 3930
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG
-
T-Terminal em fase diagnosticada
E-Em época de fortes ventanias...
S-Serena, ciente da Missão Cumprida...
T-Traduzindo o ÚLTIMO desejo, sorria a
A-Árvore velha do caminho, ao passarinho:
M-Mostrei-me elegante durante a primavera
E-E pude perfumar distâncias pelo vento...
N-Na Raiz busquei água e sais minerais do solo;
T-Tronco forte soube sustentar tantos galhos...
O-Os Caules protegeram as minhas sementes,
-
D-Dentro de uma espinha dorsal bem reservada;
A-As Folhas cumpriram seu papel na fotossíntese,
-
Á-A respiração e transpiração foram normais...
R-Revisão perfeita diariamente para mantê-las
V-Viçosas, novinhas, limpas, frescas, verdinhas...
O-Ovário fecundou ótimas sementes!Proliferadas
R-Renascerão, em breve, em determinados locais.
E-É tempo de tombar-me! Sei que em algum lugar
-
V-Vou RENASCER, inteiramente, preservada!
E-Estou de partida! Desculpa-me! Seu ninho antigo
L-Levarei comigo! Não se preocupe! Aqui ao lado
H-Há outra árvore AMIGA que lhe dará o abrigo!
A-Adeus! Ofereço-lhe minha doce e última semente!
-
Belo Horizonte, 21 de setembro de 2011.

---***---



---***---

7 BILHÕES DE ÁRVORES
Desenvolvido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio-Ambiente, a Campanha "Plante 7 Bilhões de Árvores" é um projeto mundial com o objetivo de encorajar o plantio de árvores nativas e de árvores que são apropriadas ao meio ambiente local, com o apoio de cidadãos e governantes.

Campanha Bilhão de Árvores - Crescer Verde

A “Plantemos para o Planeta: Campanha Bilhões de Árvores”
é uma iniciativa global de plantio de árvores promovida
pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

Pessoas, comunidades, empresas, indústrias,
organizações da sociedade civil e governos
são incentivados a fazer um compromisso de participação online.

A Campanha encoraja o plantio de árvores nativas
e árvores que são apropriadas para o meio ambiente local.

Até o final de 2009, mais de 7.7 bilhões de árvores
já tinham sido plantadas no âmbito desta campanha
– muito acima da meta de 7 bilhões de árvores –
por participantes de 170 países.

Com este sucesso, que persiste em 2010,
a Campanha Bilhões de Árvores fará
uma contribuição substancial ao
Ano Internacional da Biodiversidade
com ações de conscientização
sobre a importância da biodiversidade
para o nosso bem-estar.

As árvores desempenham um papel crucial
como componentes fundamentais da biodiversidade
que constitui a base das redes da vida e dos sistemas,
permitindo-nos saúde, bens, alimentação, combustível
e outros serviços ecossistêmicos
dos quais a nossa vida depende.

Elas ajudam a fornecer ar puro, água potável,
solos férteis e um clima estável.

As bilhões de árvores plantadas
por meio do esforço coletivo dos participantes
da Campanha contribuirão significativamente
para a biodiversidade em todo o planeta.

Achim Steiner, Diretor Executivo, PNUMA



---***---


---***---

Árvores e Humanidade

“O simbolismo – e o significado substancial – de plantar árvores tem poder universal em todas as culturas e todas as sociedades da Terra, e é uma forma de os individuos; homens, mulheres e crianças participarem na criação de soluções para a crise do meio ambiente”
Al Gore, Earth in the Balance

-

Florestas fornecem não só proteção ao meio ambiente, mas também significantes opções de ganhos e sustentos globais para mais de um bilhão de pessoas dependentes das florestas. Árvores fornecem uma grande gama de produtos (madeira, frutas, medicamentos, bebidas, ferragem) e serviços (sequestro de carbono, sombra, embelezamento, controle de erosão, fertilidade do solo). Sem árvores a vida humana seria insustentável.

Florestas também têm um importante papel cultural, espiritual e recreativo em muitas sociedades. Em alguns casos, elas são integrais para a definição e sobrevivência de indígenas e culturas tradicionais.

Florestas e árvores são simbolicamnete importantes na maioria das religiões do mundo. Árvores simbolizam continuidade histórica, elas unem terra e céus e, em várias tradições, são moradia para bons e maus espíritos e para a alma dos ancestrais.

Florestas desempenham também um importante papel oferecendo oportunidades de recreação e conforto espiritual nas sociedades modernas. Elas são poderosos símbolos universais, uma expressão física de vida, crescimento e vigor à populaçãp urbana, rural e de florestas.

Produtos medicinais feitos de árvores audam na cura de doenças e aumentam fertilidade.
Árvores ocupam posição de destaque em discussões de comunidades e casamentos.
Elas são plantadas no nascimento de crianças e em enterros.

"Se você está pensando um ano a frente, semeie uma semente.
Se você está pensando dez anos a frente, plante uma árvore.”
Chinese poet, 500 BC.

-

"Aquele que planta uma árvore ama os outros mais do que a ele mesmo."
English´s proverb.

-

"O melhor amigo de um homem na Terra é a árvore. Quando nós usamos a árvore respeitosamente e economicamente, nós temos uma das maiores recompensas da Terra”
Frank Lloyd Wright.

-

"Elas são bonitas em sua paz, elas são espertas no seu silêncio. Elas sobreviverão enquanto nós viraremos poeira. Elas nos ensinam e nós cuidamos delas.”
Galeain ip Altiem MacDunelmor.

-

"Apesar de uma árvore crescer tão alto, as folhas que caem voltam à raiz."
Malay proverb

-

"Uma sociedade cresce bem quando homens velhos plantam ávores das quais nunca aproveitarão as sombras."
Greek´s proverb.

-

"Mesmo se eu soubesse que amanhã o mundo vai cair aos pedaços, ainda assim eu plantaria minha árvore de maçãs."
Martin Lu...


-



Categoria:
Música
Palavras-chave:
vals waltz de las flores of the flowers Tchaikovsky música music clásica classic marina jaén
Licença:
Licença padrão do YouTube


CONFERIR O JORNAL DOM DA PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE;
PLANTIO DE ÁRVORES DIA 21 DE SETEMBRO DE 2011

http://issuu.com/prefeituradebh/docs/dom_20110922?viewMode=presentation&mode=embed


---***---

VOZES DA PRIMAVERA-VALSA EM VIDEO VALE A PENA CONFERIR!

terça-feira, 13 de setembro de 2011

FOTOS 22-8-2011 ELEIÇÃO DA PRIMEIRA DIRETORIA DA ALB-MG


--------------------


---------------------
ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL- MINAS GERAIS
ADMINISTRAÇÃO ALB-MG-

BIÊNIO: 2011-2013

PRESIDENTE FUNDADORA VITALÍCIA:
Profa. Dra: Sílvia de Lourdes Araújo Motta

PRESIDENTE EXECUTIVO:
Dr. Manoel Dias de Oliveira

VICE-PRESIDENTE:
Coronel Álvaro Antônio Nicolau

SECRETÁRIO-GERAL:
Emerson Luiz de Castro

TESOUREIRO:
Prof. Jehu Pinto de Aguillar Filho

DIRETOR DE EVENTOS
Dr.Ronaldo Vieira de Aguillar

CONSELHO FISCAL:
Desembargador João Quintino
Desembargador Luiz Audebert Delage Filho
Juiz Renato César Jardim
Raymundo Nonato Fernandes
Antonio Francisco Patente
Maria Helena Souza Mello
Marco Aurélio Baggio
João Wilton Alves
José Moreira Alves

MESTRE DE CERIMÔNIAS:
Cícero Moteran Ramos

ORADOR OFICIAL:
Dr. Jorge Lasmar

---------------------------------

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

FOTOS - ALB-MG 23-8-2011


----------------


---------------


----------------


-----------------


-----------------


------------------


-------------------


--------------------


-------------------


---------------------


------------------

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

CADEIRAS APROVADAS PARA ESCRITORES IMORTAIS-POSSE EM 23 DE AGOSTO DE 2011



-------

-------

ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-MINAS GERAIS
REGISTRO NO LIVRO A - Nº 131.767- REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS EM 22-AGOSTO-2011,ATA DE FUNDAÇÃO:11-6-2011; INSTALAÇÃO E POSSES DIA 23-8-2011.


CADEIRAS DOS ESCRITORES IMORTAIS APROVADOS PARA POSSES NA ALB-MG:
DIA 23 DE AGOSTO DE 2011-BELO HORIZONTE.

Cadeira nº 01/ALB-MG- MANOEL DIAS DE OLIVEIRA-PhD
Psicanalista/Teólogo/Prof. Universitário

Cadeira nº 02/ALB-MG-SILVIA DE LOURDES ARAÚJO MOTTA-PhI-
Profa. Dra.Filosofia/Língua Portuguesa/Pedagogista

Cadeira nº 03-JORGE LASMAR-
Advogado/Prof/Diretor da Faculdade de Administração Milton Campos

Cadeira nº 04- CÍCERO MOTERAN RAMOS-
Engenheiro

Cadeira nº 05- WAGNER COLOMBAROLLI-
Engenheiro

Cadeira nº 06- PAULO GERALDO CORRÊA-
Advogado

Cadeira nº 07- JOSEMAR OTAVIANO DE ALVARENGA-
Médico

Cadeira nº 08- RONALDO VIEIRA DE AGUIAR-
Médico

Cadeira nº 09- EURÍPEDES SANTOS ZUMPANO-
Engenheiro Urbanista

Cadeira nº 10- DEUSDEDIT PINTO RIBEIRO DE CAMPOS-
Médico

Cadeira nº 11-SEBASTIÃO ABRÃO SALIM-
Médico

Cadeira nº 12- EUGÊNIO FERRAZ-
Engenheiro

Cadeira nº 13- JOÃO WILTON ALVES
Delegado de Polícia Civil, Advogado

Cadeira nº 14- JOÃO QUINTINO DA SILVA-
Desembargador de Justiça do Estado de MG

Cadeira nº 15- RAYMUNDO NONATO FERNANDES-
Historiador/Professor-Administrador Educacional

Cadeira nº 16- HERBERT SARDINHA PINTO-
Professor

Cadeira nº 17- FERNANDO ANTÔNIO XAVIER BRANDÃO –
Engenheiro

Cadeira nº 18- ÁLVARO ANTÔNIO NICOLAU-
Psicólogo/Coronel PMMG

Cadeira nº 19- JOÃO BOSCO DE CASTRO-
Professor/Ten.Coronel

Cadeira nº 20- JOSÉ MOREIRA ALVES-KID MOREIRA-
Delegado de Polícia Civil/Jornalista

Cadeira nº 21- LÉA LÚCIA VIANA-LÉALU-
Escritora/Poeta

Cadeira nº 22- LUIZ GONZAGA FERREIRA-LIMAGOLF-
Militar reformado

Cadeira nº 23- DEIWSON FERREIRA DE MAGALHÃES-
Sargento PMMG

Cadeira nº 24- LUIZ AUDEBERT DELAGE FILHO –
Desembargador de Justiça do Estado de MG

Cadeira nº 25- RENATO CÉSAR JARDIM –
Juiz de Direito-Fórum de Belo Horizonte

Cadeira nº 26- MARIA HELENA SOUZA MELLO –
Advogada

Cadeira nº 27- MAURO JOSÉ DE MORAIS-
Professor.

Cadeira nº 28- FRANKLIN LOPES DE FREITAS-
Comendador/Empresário

Cadeira nº 29-LUIZA MIRANDA-
Administradora/Marketing

Cadeira nº 30-JEHU PINTO DE AGUILAR FILHO-
Prof .Coord. Universitário

Cadeira nº 31-EMERSON LUIZ DE CASTRO-
Advogado/Prof.Coord. Universitário

Cadeira nº 32-ANTONIO CARLOS ALBUQUERQUE-
Economista

Cadeira nº 33-ROBERTO CARVALHO-
Administrador/Vice-Prefeito de BH

Cadeira nº 34-CARLOS FELIPE DE MELO MARQUES HORTA_
Jornalista/Folclorólogo.

Cadeira nº 35-EDUARDO A. O. TOLEDO
-Advogado

Cadeira nº 36- ZENI DE BARROS LANA-
Profa.Orientadora Educacional

Cadeira nº 37/ALB-MG- MARCO AURÉLIO BAGGIO-
Médico/Psiquiatra/Psicanalista

Cadeira nº 38-ANTONIO FRANCISCO PATENTE-
Procurador de Justiça/Prof. Universitário

Cadeira nº 39 GILBERTO MADEIRA PEIXOTO-
Médico

Cadeira nº 40- MARIA DA CONCEIÇÃO PILÓ(FALECIDA)
Escritora/Poeta/Artista Plástica-(Escritora Luiza Miranda)

-

1) ESCRITOR IMORTAL APROVADO para DIPLOMAÇÃO
COMO MEMBRO CORRESPONDENTE DA ALB-MG
ACADÊMICO Prof./Historiador CLÉRIO JOSÉ BORGES SANTA´ANNA
RESIDENTE EM VITÓRIA-ESPIRITO SANTO.
-Presidente do Clube dos Poetas Capixabas/Espírito Santo.

2) ESCRITORA IMORTAL APROVADA para DIPLOMAÇÂO
COMO MEMBRO CORRESPONDENTE DA ALB-MG
KÁTTIA BOBBIO-Profa.Promotora de Eventos
RESIDENTE EM VITÓRIA-ESPIRITO SANTO.
----------------------



ACADEMIA MILITAR BRASILEIRA DE LETRAS ESTRATÉGICAS SECCIONAL ALB/MG

CADEIRA 1)ÁLVARO ANTÔNIO NICOLAU-Coronel PMMG/PSICÓLOGO
ESCRITOR IMORTAL APROVADO para DIPLOMAÇÃO em 23 de agosto de 2011
ACADEMIA MILITAR BRASILEIRA DE LETRAS ESTRATÉGICAS-ALB-MG

CADEIRA 2)JOÃO BOSCO DE CASTRO-Prof.Ten-Coronel PMMG
ESCRITOR IMORTAL APROVADO para DIPLOMAÇÃO em 23 de agosto de 2011
ACADEMIA MILITAR BRASILEIRA DE LETRAS ESTRATÉGICAS-ALB-MG

CADEIRA 3)GIOVANNI FRANCO-Prof. Capitão PMMG
ESCRITOR IMORTAL APROVADO para DIPLOMAÇÃO em 23 de agosto de 2011
ACADEMIA MILITAR BRASILEIRA DE LETRAS ESTRATÉGICAS-ALB-MG
PATRONO: OSWALDO DE CARVALHO MONTEIRO
---***---




ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL- MINAS GERAIS
ADMINISTRAÇÃO ALB-MG-

BIÊNIO: 2011-2013

PRESIDENTE FUNDADORA VITALÍCIA:
Profa. Dra: Sílvia de Lourdes Araújo Motta

PRESIDENTE EXECUTIVO:
Dr. Manoel Dias de Oliveira

VICE-PRESIDENTE:
Coronel Álvaro Antônio Nicolau

SECRETÁRIO-GERAL:
Emerson Luiz de Castro

TESOUREIRO:
Prof. Jehu Pinto de Aguillar Filho

DIRETOR DE EVENTOS
Dr.Ronaldo Vieira de Aguillar

CONSELHO FISCAL:
Desembargador João Quintino
Desembargador Luiz Audebert Delage Filho
Juiz Renato César Jardim
Raymundo Nonato Fernandes
Antonio Francisco Patente
Maria Helena Souza Mello
Marco Aurélio Baggio
João Wilton Alves
José Moreira Alves

MESTRE DE CERIMÔNIAS:
Cícero Moteran Ramos

ORADOR OFICIAL:
Dr. Jorge Lasmar

---------------------------------



-------

ANEXO II NOTA EXPLICATIVA DO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA (1990)

ANEXO II

DECRETO Nº 6.583, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008. Promulga o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990.

-----------------

CONTINUAÇÃO...


ANEXO II

NOTA EXPLICATIVA DO

ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA

(1990)

1. Memória breve dos acordos ortográficos

A existência de duas ortografias oficiais da língua portuguesa, a lusitana e a brasileira, tem sido considerada como largamente prejudicial para a unidade intercontinental do português e para o seu prestígio no Mundo.

Tal situação remonta, como é sabido, a 1911, ano em que foi adotada em Portugal a primeira grande reforma ortográfica, mas que não foi extensiva ao Brasil.

Por iniciativa da Academia Brasileira de Letras, em consonância com a Academia das Ciências de Lisboa, com o objetivo de se minimizarem os inconvenientes desta situação, foi aprovado em 1931 o primeiro acordo ortográfico entre Portugal e o Brasil. Todavia, por razões que não importa agora mencionar, este acordo não produziu, afinal, a tão desejada unificação dos dois sistemas ortográficos, fato que levou mais tarde à convenção ortográfica de 1943. Perante as divergências persistentes nos Vocabulários entretanto publicados pelas duas Academias, que punham em evidência os parcos resultados práticos do acordo de 1943, realizou-se, em 1945, em Lisboa, novo encontro entre representantes daquelas duas agremiações, o qual conduziu à chamada Convenção Ortográfica Luso-Brasileira de 1945. Mais uma vez, porém, este acordo não produziu os almejados efeitos, já que ele foi adotado em Portugal, mas não no Brasil.

Em 1971, no Brasil, e em 1973, em Portugal, foram promulgadas leis que reduziram substancialmente as divergências ortográficas entre os dois países. Apesar destas louváveis iniciativas, continuavam a persistir, porém, divergências sérias entre os dois sistemas ortográficos.

No sentido de as reduzir, a Academia das Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira de Letras elaboraram em 1975 um novo projeto de acordo que não foi, no entanto, aprovado oficialmente por razões de ordem política, sobretudo vigentes em Portugal.

E é neste contexto que surge o encontro do Rio de Janeiro, em Maio de 1986, e no qual se encontram, pela primeira vez na história da língua portuguesa, representantes não apenas de Portugal e do Brasil mas também dos cinco novos países africanos lusófonos entretanto emergidos da descolonização portuguesa.

O Acordo Ortográfico de 1986, conseguido na reunião do Rio de Janeiro, ficou, porém, inviabilizado pela reação polêmica contra ele movida sobretudo em Portugal.

2.Razões do fracasso dos acordos ortográficos

Perante o fracasso sucessivo dos acordos ortográficos entre Portugal e o Brasil, abrangendo o de 1986 também os países lusófonos de África, importa refletir seriamente sobre as razões de tal malogro.

Analisando sucintamente o conteúdo dos acordos de 1945 e de 1986, a conclusão que se colhe é a de que eles visavam impor uma unificação ortográfica absoluta.

Em termos quantitativos e com base em estudos desenvolvidos pela Academia das Ciências de Lisboa, com base num corpus de cerca de 110.000 palavras, conclui-se que o Acordo de 1986 conseguia a unificação ortográfica em cerca de 99,5% do vocabulário geral da língua. Mas conseguia-a sobretudo à custa da simplificação drástica do sistema de acentuação gráfica, pela supressão dos acentos nas palavras proparoxítonas e paroxítonas, o que não foi bem aceito por uma parte substancial da opinião pública portuguesa.

Também o acordo de 1945 propunha uma unificação ortográfica absoluta que rondava os 100% do vocabulário geral da língua. Mas tal unificação assentava em dois princípios que se revelaram inaceitáveis para os brasileiros:

a)Conservação das chamadas consoantes mudas ou não articuladas, o que correspondia a uma verdadeira restauração destas consoantes no Brasil, uma vez que elas tinham há muito sido abolidas.

b)Resolução das divergências de acentuação das vogais tônicas e e o, seguidas das consoantes nasais m e n, das palavras proparoxítonas (ou esdrúxulas) no sentido da prática portuguesa, que consistia em as grafar com acento agudo e não circunflexo, conforme a prática brasileira.

Assim se procurava, pois, resolver a divergência de acentuação gráfica de palavras como António e Antônio, cómodo e cômodo, género e gênero, oxigénio e oxigênio, etc., em favor da generalização da acentuação com o diacrítico agudo. Esta solução estipulava, contra toda a tradição ortográfica portuguesa, que o acento agudo, nestes casos, apenas assinalava a tonicidade da vogal e não o seu timbre, visando assim resolver as diferenças de pronúncia daquelas mesmas vogais.

A inviabilização prática de tais soluções leva-nos à conclusão de que não é possível unificar por via administrativa divergências que assentam em claras diferenças de pronúncia, um dos critérios, aliás, em que se baseia o sistema ortográfico da língua portuguesa.

Nestas condições, há que procurar uma versão de unificação ortográfica que acautele mais o futuro do que o passado e que não receie sacrificar a simplificação também pretendida em 1986, em favor da máxima unidade possível. Com a emergência de cinco novos países lusófonos, os fatores de desagregação da unidade essencial da língua portuguesa far-se-ão sentir com mais acuidade e também no domínio ortográfico. Neste sentido importa, pois, consagrar uma versão de unificação ortográfica que fixe e delimite as diferenças atualmente existentes e previna contra a desagregação ortográfica da língua portuguesa.

Foi, pois, tendo presentes estes objetivos, que se fixou o novo texto de unificação ortográfica, o qual representa uma versão menos forte do que as que foram conseguidas em 1945 e 1986. Mas ainda assim suficientemente forte para unificar ortograficamente cerca de 98% do vocabulário geral da língua.

3.Forma e substância do novo texto

O novo texto de unificação ortográfica agora proposto contém alterações de forma (ou estrutura) e de conteúdo, relativamente aos anteriores. Pode dizer-se, simplificando, que em termos de estrutura se aproxima mais do acordo de 1986, mas que em termos de conteúdo adota uma posição mais conforme com o projeto de 1975, atrás referido.

Em relação às alterações de conteúdo, elas afetam sobretudo o caso das consoantes mudas ou não articuladas, o sistema de acentuação gráfica, especialmente das esdrúxulas, e a hifenação.

Pode dizer-se ainda que, no que respeita às alterações de conteúdo, de entre os princípios em que assenta a ortografia portuguesa, se privilegiou o critério fonético (ou da pronúncia) com um certo detrimento para o critério etimológico.

É o critério da pronúncia que determina, aliás, a supressão gráfica das consoantes mudas ou não articuladas, que se têm conservado na ortografia lusitana essencialmente por razões de ordem etimológica.

É também o critério da pronúncia que nos leva a manter um certo número de grafias duplas do tipo de caráter e carácter, facto e fato, sumptuoso e suntuoso, etc.

É ainda o critério da pronúncia que conduz à manutenção da dupla acentuação gráfica do tipo de económico e econômico, efémero e efêmero, género e gênero, génio e gênio, ou de bónus e bônus, sémen e sêmen, ténis e tênis, ou ainda de bebé e bebê, ou metro e metrô, etc.

Explicitam-se em seguida as principais alterações introduzidas no novo texto de unificação ortográfica, assim como a respectiva justificação.

4.Conservação ou supressão das consoantes c, p, b, g, m e t em certas seqüências consonânticas (Base IV)

4.1.Estado da questão

Como é sabido, uma das principais dificuldades na unificação da ortografia da língua portuguesa reside na solução a adotar para a grafia das consoantes c e p, em certas seqüências consonânticas interiores, já que existem fortes divergências na sua articulação.

Assim, umas vezes, estas consoantes são invariavelmente proferidas em todo o espaço geográfico da língua portuguesa, conforme sucede em casos como compacto, ficção, pacto; adepto, aptidão, núpcias; etc.

Neste caso, não existe qualquer problema ortográfico, já que tais consoantes não podem deixar de grafar-se (v. Base IV, 1º a).

Noutros casos, porém, dá-se a situação inversa da anterior, ou seja, tais consoantes não são proferidas em nenhuma pronúncia culta da língua, como acontece em acção, afectivo, direcção; adopção, exacto, óptimo; etc. Neste caso existe um problema. É que na norma gráfica brasileira há muito estas consoantes foram abolidas, ao contrário do que sucede na norma gráfica lusitana, em que tais consoantes se conservam. A solução que agora se adota (v. Base IV, 1º b) é a de as suprimir, por uma questão de coerência e de uniformização de critérios (vejam-se as razões de tal supressão adiante, em 4.2.).

As palavras afectadas por tal supressão representam 0,54% do vocabulário geral da língua, o que é pouco significativo em termos quantitativos (pouco mais de 600 palavras em cerca de 110.000). Este número é, no entanto, qualitativamente importante, já que compreende vocábulos de uso muito frequente (como, por ex., acção, actor, actual, colecção, colectivo, correcção, direcção, director, electricidade, factor, factura, inspector, lectivo, óptimo, etc.).

O terceiro caso que se verifica relativamente às consoantes c e p diz respeito à oscilação de pronúncia, a qual ocorre umas vezes no interior da mesma norma culta (cf. por ex., cacto ou cato, dicção ou dição, sector ou setor, etc.), outras vezes entre normas cultas distintas (cf., por ex., facto, receção em Portugal, mas fato, recepção no Brasil).

A solução que se propõe para estes casos, no novo texto ortográfico, consagra a dupla grafia (v. Base IV, 1º c).

A estes casos de grafia dupla devem acrescentar-se as poucas variantes do tipo de súbdito e súdito, subtil e sutil, amígdala e amídala, amnistia e anistia, aritmética e arimética, nas quais a oscilação da pronúncia se verifica quanto às consoantes b, g, m e t (v. Base IV, 2º).

O número de palavras abrangidas pela dupla grafia é de cerca de 0,5% do vocabulário geral da língua, o que é pouco significativo (ou seja, pouco mais de 575 palavras em cerca de 110.000), embora nele se incluam também alguns vocábulos de uso muito frequente.

4.2. Justificação da supressão de consoantes não articuladas (Base IV 1º b)

As razões que levaram à supressão das consoantes mudas ou não articuladas em palavras como ação (acção), ativo (activo), diretor (director), ótimo (óptimo) foram essencialmente as seguintes:

a)O argumento de que a manutenção de tais consoantes se justifica por motivos de ordem etimológica, permitindo assinalar melhor a similaridade com as palavras congêneres das outras línguas românicas, não tem consistência. Por outro lado, várias consoantes etimológicas se foram perdendo na evolução das palavras ao longo da história da língua portuguesa. Vários são, por outro lado, os exemplos de palavras deste tipo, pertencentes a diferentes línguas românicas, que, embora provenientes do mesmo étimo latino, revelam incongruências quanto à conservação ou não das referidas consoantes.

É o caso, por exemplo, da palavra objecto, proveniente do latim objectu-, que até agora conservava o c, ao contrário do que sucede em francês (cf. objet), ou em espanhol (cf. objeto). Do mesmo modo projecto (de projectu-) mantinha até agora a grafia com c, tal como acontece em espanhol (cf. proyecto), mas não em francês (cf. projet). Nestes casos o italiano dobra a consoante, por assimilação (cf. oggetto e progetto). A palavra vitória há muito se grafa sem c, apesar do espanhol victoria, do francês victoire ou do italiano vittoria. Muitos outros exemplos se poderiam citar. Aliás, não tem qualquer consistência a ideia de que a similaridade do português com as outras línguas românicas passa pela manutenção de consoantes etimológicas do tipo mencionado. Confrontem-se, por exemplo, formas como as seguintes: port. acidente (do lat. accidente-), esp. accidente, fr. accident, it. accidente; port. dicionário (do lat. dictionariu-), esp. diccionario, fr. dictionnaire, it. dizionario; port. ditar (do lat. dictare), esp. dictar, fr. dicter, it. dettare; port. estrutura (de structura-), esp. estructura, fr. structure, it. struttura; etc.

Em conclusão, as divergências entre as línguas românicas, neste domínio, são evidentes, o que não impede, aliás, o imediato reconhecimento da similaridade entre tais formas. Tais divergências levantam dificuldades à memorização da norma gráfica, na aprendizagem destas línguas, mas não é com certeza a manutenção de consoantes não articuladas em português que vai facilitar aquela tarefa.

b)A justificação de que as ditas consoantes mudas travam o fechamento da vogal precedente também é de fraco valor, já que, por um lado, se mantêm na língua palavras com vogal pré-tónica aberta, sem a presença de qualquer sinal diacrítico, como em corar, padeiro, oblação, pregar (= fazer uma prédica), etc., e, por outro, a conservação de tais consoantes não impede a tendência para o ensurdecimento da vogal anterior em casos como accionar, actual, actualidade, exactidão, tactear, etc.

c)É indiscutível que a supressão deste tipo de consoantes vem facilitar a aprendizagem da grafia das palavras em que elas ocorriam.

De fato, como é que uma criança de 6-7 anos pode compreender que em palavras como concepção, excepção, recepção, a consoante não articulada é um p, ao passo que em vocábulos como correcção, direcção, objecção, tal consoante é um c?

Só à custa de um enorme esforço de memorização que poderá ser vantajosamente canalizado para outras áreas da aprendizagem da língua.

d)A divergência de grafias existente neste domínio entre a norma lusitana, que teimosamente conserva consoantes que não se articulam em todo o domínio geográfico da língua portuguesa, e a norma brasileira, que há muito suprimiu tais consoantes, é incompreensível para os lusitanistas estrangeiros, nomeadamente para professores e estudantes de português, já que lhes cria dificuldades suplementares, nomeadamente na consulta dos dicionários, uma vez que as palavras em causa vêm em lugares diferentes da ordem alfabética, conforme apresentam ou não a consoante muda.

e)Uma outra razão, esta de natureza psicológica, embora nem por isso menos importante, consiste na convicção de que não haverá unificação ortográfica da língua portuguesa se tal disparidade não for revolvida.

f)Tal disparidade ortográfica só se pode resolver suprimindo da escrita as consoantes não articuladas, por uma questão de coerência, já que a pronúncia as ignora, e não tentando impor a sua grafia àqueles que há muito as não escrevem, justamente por elas não se pronunciarem.

4.3. Incongruências aparentes

A aplicação do princípio, baseado no critério da pronúncia, de que as consoantes c e p em certas sequências consonânticas se suprimem, quando não articuladas, conduz a algumas incongruências aparentes, conforme sucede em palavras como apocalítico ou Egito (sem p, já que este não se pronuncia), a par de apocalipse ou egipcio (visto que aqui o p se articula), noturno (sem c, por este ser mudo), ao lado de noctívago (com c por este se pronunciar), etc.

Tal incongruência é apenas aparente. De fato, baseando-se a conservação ou supressão daquelas consoantes no critério da pronúncia, o que não faria sentido era mantê-las, em certos casos, por razões de parentesco lexical. Se se abrisse tal exceção, o utente, ao ter que escrever determinada palavra, teria que recordar previamente, para não cometer erros, se não haveria outros vocábulos da mesma família que se escrevessem com este tipo de consoante.

Aliás, divergências ortográficas do mesmo tipo das que agora se propõem foram já aceites nas Bases de 1945 (v. Base VI, último parágrafo), que consagraram grafias como assunção ao lado de assumptivo, cativo, a par de captor e captura, dicionário, mas dicção, etc. A razão então aduzida foi a de que tais palavras entraram e se fixaram na língua em condições diferentes. A justificação da grafia com base na pronúncia é tão nobre como aquela razão.

4.4.Casos de dupla grafia (Base IV, 1º c, d e 2º)

Sendo a pronúncia um dos critérios em que assenta a ortografia da língua portuguesa, é inevitável que se aceitem grafias duplas naqueles casos em que existem divergências de articulação quanto às referidas consoantes c e p e ainda em outros casos de menor significado. Torna-se, porém, praticamente impossível enunciar uma regra clara e abrangente dos casos em que há oscilação entre o emudecimento e a prolação daquelas consoantes, já que todas as sequências consonânticas enunciadas, qualquer que seja a vogal precedente, admitem as duas alternativas: cacto e cato, caracteres e carateres, dicção e dição, facto e fato, sector e setor; ceptro e cetro; concepção e conceção, recepção e receção; assumpção e assunção, peremptório e perentório, sumptuoso e suntuoso; etc.

De um modo geral pode dizer-se que, nestes casos, o emudecimento da consoante (exceto em dicção, facto, sumptuoso e poucos mais) se verifica, sobretudo, em Portugal e nos países africanos, enquanto no Brasil há oscilação entre a prolação e o emudecimento da mesma consoante.

Também os outros casos de dupla grafia (já mencionados em 4.1.), do tipo de súbdito e súdito, subtil e sutil, amígdala e amídala, omnisciente e onisciente, aritmética e arimética, muito menos relevantes em termos quantitativos do que os anteriores, se verificam sobretudo no Brasil.

Trata-se, afinal, de formas divergentes, isto é, do mesmo étimo. As palavras sem consoante, mais antigas e introduzidas na língua por via popular, foram já usadas em Portugal e encontram-se nomeadamente em escritores dos séculos XVI e XVII.

Os dicionários da língua portuguesa, que passarão a registrar as duas formas, em todos os casos de dupla grafia, esclarecerão, tanto quanto possível, sobre o alcance geográfico e social desta oscilação de pronúncia.

5.Sistema de acentuação gráfica (Bases VIII a XIII)

5.1.Análise geral da questão

O sistema de acentuação gráfica do português atualmente em vigor, extremamente complexo e minucioso, remonta essencialmente à Reforma Ortográfica de 1911.

Tal sistema não se limita, em geral, a assinalar apenas a tonicidade das vogais sobre as quais recaem os acentos gráficos, mas distingue também o timbre destas.

Tendo em conta as diferenças de pronúncia entre o português europeu e o do Brasil, era natural que surgissem divergências de acentuação gráfica entre as duas realizações da língua.

Tais divergências têm sido um obstáculo à unificação ortográfica do português.

É certo que em 1971, no Brasil, e em 1973, em Portugal, foram dados alguns passos significativos no sentido da unificação da acentuação gráfica, como se disse atrás. Mas, mesmo assim, subsistem divergências importantes neste domínio, sobretudo no que respeita à acentuação das paroxítonas.

Não tendo tido viabilidade prática a solução fixada na Convenção Ortográfica de 1945, conforme já foi referido, duas soluções eram possíveis para se procurar resolver esta questão.

Uma era conservar a dupla acentuação gráfica, o que constituía sempre um espinho contra a unificação da ortografia.

Outra era abolir os acentos gráficos, solução adotada em 1986, no Encontro do Rio de Janeiro.

Esta solução, já preconizada no I Simpósio Luso-Brasileiro sobre a Língua Portuguesa Contemporânea, realizada em 1967 em Coimbra, tinha sobretudo a justificá-la o fato de a língua oral preceder a língua escrita, o que leva muitos utentes a não empregarem na prática os acentos gráficos, visto que não os consideram indispensáveis à leitura e compreensão dos textos escritos.

A abolição dos acentos gráficos nas palavras proparoxítonas e paroxítonas, preconizada no Acordo de 1986, foi, porém, contestada por uma larga parte da opinião pública portuguesa, sobretudo por tal medida ir contra a tradição ortográfica e não tanto por estar contra a prática ortográfica.

A questão da acentuação gráfica tinha, pois, de ser repensada.

Neste sentido, desenvolveram-se alguns estudos e fizeram-se vários levantamentos estatísticos com o objetivo de se delimitarem melhor e quantificarem com precisão as divergências existentes nesta matéria.

5.2.Casos de dupla acentuação

5.2.1.Nas proparoxítonas (Base XI)

Verificou-se assim que as divergências, no que respeita às proparoxítonas, se circunscrevem praticamente, como já foi destacado atrás, ao caso das vogais tônicas e e o, seguidas das consoantes nasais m e n, com as quais aquelas não formam sílaba (v. Base XI, 3º).

Estas vogais soam abertas em Portugal e nos países africanos recebendo, por isso, acento agudo, mas são do timbre fechado em grande parte do Brasil, grafando-se por conseguinte com acento circunflexo: académico/ acadêmico, cómodo/ cômodo, efémero/ efêmero, fenómeno/ fenômeno, génio/ gênio, tónico/ tônico, etc.

Existem uma ou outra exceção a esta regra, como, por exemplo, cômoro e sêmola, mas estes casos não são significativos.

Costuma, por vezes, referir-se que o a tônico das proparoxítonas, quando seguido de m ou n com que não forma sílaba, também está sujeito à referida divergência de acentuação gráfica. Mas tal não acontece, porém, já que o seu timbre soa praticamente sempre fechado nas pronúncias cultas da língua, recebendo, por isso, acento circunflexo: âmago, ânimo, botânico, câmara, dinâmico, gerânio, pânico, pirâmide.

As únicas exceções a este princípio são os nomes próprios de origem grega Dánae/ Dânae e Dánao/ Dânao.

Note-se que se as vogais e e o, assim como a, formam sílaba com as consoantes m ou n, o seu timbre é sempre fechado em qualquer pronúncia culta da língua, recebendo, por isso, acento circunflexo: êmbolo, amêndoa, argênteo, excêntrico, têmpera; anacreôntico, cômputo, recôndito, cânfora, Grândola, Islândia, lâmpada, sonâmbulo, etc.

5.2.2.Nas paroxítonas (Base IX)

Também nos casos especiais de acentuação das paroxítonas ou graves (v. Base IX, 2º), algumas palavras que contêm as vogais tônicas e e o em final de sílaba, seguidas das consoantes nasais m e n, apresentam oscilação de timbre, nas pronúncias cultas da língua.

Tais palavras são assinaladas com acento agudo, se o timbre da vogal tônica é aberto, ou com acento circunflexo, se o timbre é fechado: fémur ou fêmur, Fénix ou Fênix, ónix ou ônix, sémen ou sêmen, xénon ou xênon; bónus ou bônus, ónus ou ônus, pónei ou pônei, ténis ou tênis, Vénus ou Vênus; etc. No total, estes são pouco mais de uma dúzia de casos.

5.2.3.Nas oxítonas (Base VIII)

Encontramos igualmente nas oxítonas (v. Base VIII, 1º a, Obs.) algumas divergências de timbre em palavras terminadas em e tônico, sobretudo provenientes do francês. Se esta vogal tônica soa aberta, recebe acento agudo; se soa fechada, grafa-se com acento circunflexo. Também aqui os exemplos pouco ultrapassam as duas dezenas: bebé ou bebê, caraté ou caratê, croché ou crochê, guiché ou guichê, matiné ou matinê, puré ou purê; etc. Existe também um caso ou outro de oxítonas terminadas em o ora aberto ora fechado, como sucede em cocó ou cocô, ró ou rô.

A par de casos como este há formas oxítonas terminadas em o fechado, às quais se opõem variantes paroxítonas, como acontece em judô e judo, metrô e metro, mas tais casos são muito raros.

5.2.4.Avaliação estatística dos casos de dupla acentuação gráfica

Tendo em conta o levantamento estatístico que se fez na Academia das Ciências de Lisboa, com base no já referido corpus de cerca de 110.000 palavras do vocabulário geral da língua, verificou-se que os citados casos de dupla acentuação gráfica abrangiam aproximadamente 1,27% (cerca de 1.400 palavras). Considerando que tais casos se encontram perfeitamente delimitados, como se referiu atrás, sendo assim possível enunciar a regra de aplicação, optou-se por fixar a dupla acentuação gráfica como a solução menos onerosa para a unificação ortográfica da língua portuguesa.

5.3.Razões da manutenção dos acentos gráficos nas proparoxítonas e paroxítonas

Resolvida a questão dos casos de dupla acentuação gráfica, como se disse atrás, já não tinha relevância o principal motivo que levou em 1986 a abolir os acentos nas palavras proparoxítonas e paroxítonas.

Em favor da manutenção dos acentos gráficos nestes casos, ponderaram-se, pois, essencialmente as seguintes razões:

a)Pouca representatividade (cerva de 1,27%) dos casos de dupla acentuação.

b)Eventual influência da língua escrita sobre a língua oral, com a possibilidade de, sem acentos gráficos, se intensificar a tendência para a paroxitonia, ou seja, deslocação do acento tônico da antepenúltima para a penúltima sílaba, lugar mais frequente de colocação do acento tônico em português.

c)Dificuldade em apreender corretamente a pronúncia em termos de âmbito técnico e científico, muitas vezes adquiridos através da língua escrita (leitura).

d)Dificuldades causadas, com a abolição dos acentos, à aprendizagem da língua, sobretudo quando esta se faz em condições precárias, como no caso dos países africanos, ou em situação de auto-aprendizagem.

e)Alargamento, com a abolição dos acentos gráficos, dos casos de homografia, do tipo de análise(s)/ analise(v.), fábrica(s.)/ fabrica(v.), secretária(s.)/ secretaria(s. ou v.), vária(s.)/ varia(v.), etc., casos que apesar de dirimíveis pelo contexto sintático, levantariam por vezes algumas dúvidas e constituiriam sempre problema para o tratamento informatizado do léxico.

f)Dificuldade em determinar as regras de colocação do acento tônico em função da estrutura mórfica da palavra. Assim, as proparoxítonas, segundo os resultados estatísticos obtidos da análise de um corpus de 25.000 palavras, constituem 12%. Destes, 12%, cerca de 30% são falsas esdrúxulas (cf. génio, água, etc.). Dos 70% restantes, que são as verdadeiras proparoxítonas (cf. cômodo, gênero, etc.), aproximadamente 29% são palavras que terminam em –ico /–ica (cf. ártico, econômico, módico, prático, etc.). Os restantes 41% de verdadeiras esdrúxulas distribuem-se por cerca de duzentas terminações diferentes, em geral de caráter erudito (cf. espírito, ínclito, púlpito; filólogo; filósofo; esófago; epíteto; pássaro; pêsames; facílimo; lindíssimo; parêntesis; etc.).

5.4.Supressão de acentos gráficos em certas palavras oxítonas e paroxítonas (Bases VIII, IX e X)

5.4.1.Em casos de homografia (Bases VIII, 3º e IX, 9º e 10º)

O novo texto ortográfico estabelece que deixem de se acentuar graficamente palavras do tipo de para (á), flexão de parar, pelo (ê), substantivo, pelo (é), flexão de pelar, etc., as quais são homógrafas, respectivamente, das proclíticas para, preposição, pelo, contração de per e lo, etc.

As razões por que se suprime, nestes casos, o acento gráfico são as seguintes:

a)Em primeiro lugar, por coerência com a abolição do acento gráfico já consagrada pelo Acordo de 1945, em Portugal, e pela Lei nº 5.765, de 18/12/1971, no Brasil, em casos semelhantes, como, por exemplo: acerto (ê), substantivo, e acerto (é), flexão de acertar; acordo (ô), substantivo, e acordo (ó), flexão de acordar; cor (ô), substantivo, e cor (ó), elemento da locação de cor; sede (ê) e sede (é), ambos substantivos; etc.

b)Em segundo lugar, porque, tratando-se de pares cujos elementos pertencem a classes gramaticais diferentes, o contexto sintático permite distinguir claramente tais homógrafas.

5.4.2.Em paroxítonas com os ditongos ei e oi na sílaba tônica (Base IX, 3º)

O novo texto ortográfico propõe que não se acentuem graficamente os ditongos ei e oi tônicos das palavras paroxítonas. Assim, palavras como assembleia, boleia, ideia, que na norma gráfica brasileira se escrevem com acento agudo, por o ditongo soar aberto, passarão a escrever-se sem acento, tal como aldeia, baleia, cheia, etc.

Do mesmo modo, palavras como comboio, dezoito, estroina, etc., em que o timbre do ditongo oscila entre a abertura e o fechamento, oscilação que se traduz na facultatividade do emprego do acento agudo no Brasil, passarão a grafar-se sem acento.

A generalização da supressão do acento nestes casos justifica-se não apenas por permitir eliminar uma diferença entre a prática ortográfica brasileira e a lusitana, mas ainda pelas seguintes razões:

a) Tal supressão é coerente com a já consagrada eliminação do acento em casos de homografia heterofônica (v. Base IX, 10º, e, neste texto atrás, 5.4.1.), como sucede, por exemplo, em acerto, substantivo, e acerto, flexão de acertar, acordo, substantivo, e acordo, flexão de acordar, fora, flexão de ser e ir, e fora, advérbio, etc.

b)No sistema ortográfico português não se assinala, em geral, o timbre das vogais tônicas a, e e o das palavras paroxítonas, já que a língua portuguesa se caracteriza pela sua tendência para a paroxitonia. O sistema ortográfico não admite, pois, a distinção entre, por exemplo cada (â) e fada (á), para (â) e tara (á); espelho (ê) e velho (é), janela (é) e janelo (ê), escrevera (ê), flexão de escrever, e Primavera (é); moda (ó) e toda (ô), virtuosa (ó) e virtuoso (ô); etc.

Então, se não se torna necessário, nestes casos, distinguir pelo acento gráfico o timbre da vogal tónica, por que se há-de usar o diacrítico para assinalar a abertura dos ditongos ei e oi nas paroxítonas, tendo em conta que o seu timbre nem sempre é uniforme e a presença do acento constituiria um elemento perturbador da unificação ortográfica?

5.4.3.Em paroxítons do tipo de abençoo, enjoo, voo, etc. (Base IX, 8º)

Por razões semelhantes às anteriores, o novo texto ortográfico consagra também a abolição do acento circunflexo, vigente no Brasil, em palavras paroxítonas como abençoo, flexão de abençoar, enjoo, substantivo e flexão de enjoar, moo, flexão de moer, povoo, flexão de povoar, voo, substantivo e flexão de voar, etc.

O uso do acento circunflexo não tem aqui qualquer razão de ser, já que ele ocorre em palavras paroxítonas cuja vogal tônica apresenta a mesma pronúncia em todo o domínio da língua portuguesa. Além de não ter, pois, qualquer vantagem nem justificação, constitui um fator que perturba a unificação do sistema ortográfico.

5.4.4.Em formas verbais com u e ui tônicos, precedidos de g e q (Base X, 7º)

Não há justificação para se acentuarem graficamente palavras como apazigue, arguem, etc., já que estas formas verbais são paroxítonas e a vogal u é sempre articulada, qualquer que seja a flexão do verbo respectivo.

No caso de formas verbais como argui, delinquis, etc., também não há justificação para o acento, pois se trata de oxítonas terminadas no ditongo tónico ui, que como tal nunca é acentuado graficamente.

Tais formas só serão acentuadas se a seqüência ui não formar ditongo e a vogal tônica for i, como, por exemplo, arguí (1a pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo).

6.Emprego do hífen (Bases XV a XVIII)

6.1.Estado da questão

No que respeita ao emprego do hífen, não há propriamente divergências assumidas entre a norma ortográfica lusitana e a brasileira. Ao compulsarmos, porém, os dicionários portugueses e brasileiros e ao lermos, por exemplo, jornais e revistas, deparam-se-nos muitas oscilações e um largo número de formações vocabulares com grafia dupla, ou seja, com hífen e sem hífen, o que aumenta desmesurada e desnecessariamente as entradas lexicais dos dicionários. Estas oscilações verificam-se sobretudo nas formações por prefixação e na chamada recomposição, ou seja, em formações com pseudoprefixos de origem grega ou latina.

Eis alguns exemplos de tais oscilações: ante-rosto e anterrosto, co-educação e coeducação, pré-frontal e prefrontal, sobre-saia e sobressaia, sobre-saltar e sobressaltar, aero-espacial e aeroespacial, auto-aprendizagem e autoaprendizagem, agro-industrial e agroindustrial, agro-pecuária e agropecuária, alvéolo-dental e alveolodental, bolbo-raquidiano e bolborraquidiano, geo-história e geoistória, micro-onda e microonda; etc.

Estas oscilações são, sem dúvida, devidas a uma certa ambiguidade e falta de sistematização das regras que sobre esta matéria foram consagradas no texto de 1945. Tornava-se, pois, necessário reformular tais regras de modo mais claro, sistemático e simples. Foi o que se tentou fazer em 1986.

A simplificação e redução operadas nessa altura, nem sempre bem compreendidas, provocaram igualmente polêmica na opinião pública portuguesa, não tanto por uma ou outra incongruência resultante da aplicação das novas regras, mas sobretudo por alterarem bastante a prática ortográfica neste domínio.

A posição que agora se adota, muito embora tenha tido em conta as críticas fundamentadas ao texto de 1986, resulta, sobretudo, do estudo do uso do hífen nos dicionários portugueses e brasileiros, assim como em jornais e revistas.

6.2.O hífen nos compostos (Base XV)

Sintetizando, pode dizer-se que, quanto ao emprego do hífen nos compostos, locuções e encadeamentos vocabulares, se mantém o que foi estatuído em 1945, apenas se reformulando as regras de modo mais claro, sucinto e simples.

De fato, neste domínio não se verificam praticamente divergências nem nos dicionários nem na imprensa escrita.

6.3.O hífen nas formas derivadas (Base XVI)

Quanto ao emprego do hífen nas formações por prefixação e também por recomposição, isto é, nas formações com pseudoprefixos de origem grega ou latina, apresenta-se alguma inovação. Assim, algumas regras são formuladas em termos contextuais, como sucede nos seguintes casos:

a)Emprega-se o hífen quando o segundo elemento da formação começa por h ou pela mesma vogal ou consoante com que termina o prefixo ou pseudoprefixo (por ex. anti-higiênico, contra-almirante, hiper-resistente).

b)Emprega-se o hífen quando o prefixo ou falso prefixo termina em m e o segundo elemento começa por vogal, m ou n (por ex. circum-murado, pan-africano).

As restantes regras são formuladas em termos de unidades lexicais, como acontece com oito delas (ex-, sota- e soto-, vice- e vizo-; pós-, pré- e pró-).

Noutros casos, porém, uniformiza-se o não emprego do hífen, do modo seguinte:

a)Nos casos em que o prefixo ou o pseudoprefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por r ou s, estas consoantes dobram-se, como já acontece com os termos técnicos e científicos (por ex. antirreligioso, microssistema).

b)Nos casos em que o prefixo ou pseudoprefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal diferente daquela, as duas formas aglutinam-se, sem hífen, como já sucede igualmente no vocabulário científico e técnico (por ex. antiaéreo, aeroespacial)

6.4.O hífen na ênclise e tmese (Base XVII)

Quanto ao emprego do hífen na ênclise e na tmese mantêm-se as regras de 1945, exceto no caso das formas hei de, hás de, há de, etc., em que passa a suprimir-se o hífen. Nestas formas verbais o uso do hífen não tem justificação, já que a preposição de funciona ali como mero elemento de ligação ao infinitivo com que se forma a perífrase verbal (cf. hei de ler, etc.), na qual de é mais proclítica do que apoclítica.

7.Outras alterações de conteúdo

7.1.Inserção do alfabeto (Base I)

Uma inovação que o novo texto de unificação ortográfica apresenta, logo na Base I, é a inclusão do alfabeto, acompanhado das designações que usualmente são dadas às diferentes letras. No alfabeto português passam a incluir-se também as letras k, w e y, pelas seguintes razões:

a)Os dicionários da língua já registram estas letras, pois existe um razoável número de palavras do léxico português iniciado por elas.

b)Na aprendizagem do alfabeto é necessário fixar qual a ordem que aquelas letras ocupam.

c)Nos países africanos de língua oficial portuguesa existem muitas palavras que se escrevem com aquelas letras.

Apesar da inclusão no alfabeto das letras k, w e y, mantiveram-se, no entanto, as regras já fixadas anteriormente, quanto ao seu uso restritivo, pois existem outros grafemas com o mesmo valor fônico daquelas. Se, de fato, se abolisse o uso restritivo daquelas letras, introduzir-se-ia no sistema ortográfico do português mais um fator de perturbação, ou seja, a possibilidade de representar, indiscriminadamente, por aquelas letras fonemas que já são transcritos por outras.

7.2.Abolição do trema (Base XIV)

No Brasil, só com a Lei nº 5.765, de 18/12/1971, o emprego do trema foi largamente restringido, ficando apenas reservado às sequências gu e qu seguidas de e ou i, nas quais u se pronuncia (cf. aguentar, arguente, eloquente, equestre, etc.).

O novo texto ortográfico propõe a supressão completa do trema, já acolhida, aliás, no Acordo de 1986, embora não figurasse explicitamente nas respectivas bases. A única ressalva, neste aspecto, diz respeito a palavras derivadas de nomes próprios estrangeiros com trema (cf. mülleriano, de Müller, etc.).

Generalizar a supressão do trema é eliminar mais um fator que perturba a unificação da ortografia portuguesa.

8.Estrutura e ortografia do novo texto

Na organização do novo texto de unificação ortográfica optou-se por conservar o modelo de estrutura já adotado em 1986. Assim, houve a preocupação de reunir, numa mesma base, matéria afim, dispersa por diferentes bases de textos anteriores, donde resultou a redução destas a vinte e uma.

Através de um título sucinto, que antecede cada base, dá-se conta do conteúdo nela consagrado. Dentro de cada base adotou-se um sistema de numeração (tradicional) que permite uma melhor e mais clara arrumação da matéria aí contida.

-

Fonte:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6583.htm