quarta-feira, 2 de maio de 2012

ARCADIANAS-BOLETIM MENSAL DA ARCÁDIA DE MINAS GERAIS-MAIO-2012


ARCADIANAS
“AUREUM COR IN FERREO PECTORE”
BOLETIM MENSAL DA ARCÁDIA DE MINAS GERAIS
Fundador e Atual Editor: Fernando A. X. Brandão                     Número 05 / 2012
Belo Horizonte, 2 de maio de 2012

A REUNIÃO DE HOJE
16:00 horas – Abertura pelo Presidente Dr. Gilberto Madeira Peixoto e Leitura da Ata
1.    Posse da Profa. Marilene Guzella Martins Leme, na Cadeira n. 22, patrono Mestre Ataíde. Será saudada pela Árcade Regina Almeida, ocupante da Cadeira n. 12, que tem Alberto Barroca como patrono.
2.    Momentos de Prosa e Poesia, sob a direção do Árcade Dr. Paulo Geraldo Corrêa.
 18:00 Horas – Encerramento, seguido de lanche
 e confraternização.

PROGRAMAÇÃO PROVISÓRIA DA ARCÁ-DIA ENTRE MAIO E DEZEMBRO

MÊS
DIA
PALESTRA / AUTOR
Junho
6
ECOLOGIA  - Silvia
Julho
4
Humberto Eco – Dr. M. A. Baggio
Agosto
1
Elza de Moura
Setembro
5
Poemas – Diversos Árcades
Outubro
3
Dr. Josemar
Novembro
7
Edelvais
Dezembro
5
NATAL - Regina Almeida

O APOSENTADO E A GOSTOSA...
Luiz Fernando Veríssimo
(Colaboração do Árcade  Dr. Josemar Alvarenga)

A semana passada estava entrando num banco para ver se tinha restado algum trocado, até o dia da "viúva" (INSS) fazer o depósito, foi quando uma linda "garota" de uns 35 anos, minissaia, entrou na fila dos caixas. Imediatamente, sai da fila dos idosos e também entrei na mesma fila.

Em pouco tempo, ela olhou para trás e sorrindo e disse:
- Por que o senhor não utiliza a fila dos idosos?
Você sabe para que lugar eu tive vontade de mandá-la, não é? Porém, mantive a calma e usei toda minha experiência. Puxei papo e resolvi inventar, para impressionar. Falei das minhas "experiências como comandante de navio de cruzeiro" - semana passada havia lido um livro sobre um comandante de navio de turismo. Sabia tudo a respeito.
- Uau! o senhor foi comandante de transatlântico?
- Só por vinte e dois anos. - respondi expressando uma certa indiferença pelos anos de trabalho, mas sentindo que tinha capturado a presa, era só abater e comer.
- Nossa! e com essa sua pinta o senhor deveria, certamente, agradar muito o público feminino, nas noites de jantar com o comandante.
Boquiaberto, só pude responder:
 - Hã? - distraído, eu estava de olho fixo no decote da "jovem" que exibia, exuberantemente, seus lindos seios. Ela me pegou no flagra. Eu sem graça e ela não fez por menos!
- O senhor ficou vermelho! Ficou até mais bonito. Aliás, o senhor deveria fazer um teste na televisão.

Eu estava perplexo e apavorado, depois dos sessenta, isto acontece uma só vez antes da morte. Aquele avião pronto para decolar e eu sem condições nem mesmo de efetuar o chek in. Sim, não sabia ao certo quanto teria na conta corrente... Quanto estaria custando um Viagra? ...Onde poderia arrumar duzentão, até o dia do depósito da "viúva"?... Quanto estariam cobrando um apê no motel? Será que se chamar um táxi pega bem? Comecei a suar frio.
- Eu, artista de televisão?
- Sim! O senhor lembra aquele famoso galã dos anos cinquenta, que minha avó me mostrou na revista "Rainha do Rádio". Ela tem verdadeira paixão por essas revistas. Adorava Marlene, Emilinha Borba... Deus nos livre de alguém mexer nas suas revistas. Ela guarda a sete chaves, com o maior carinho. O senhor é saudosista também?
- Sim! Mas, você tá me gozando. Galã dos anos cinquenta?
- Verdade... não me lembro bem o nome, só sei que ele fazia filmes para o cinema, era muito famoso. Ma... Mário, não era. Era alguma coisa como... ah sim, tinha dois zes no nome.
- Mário Gomezz (Apelei)?
- Não, não era este o nome. Ahhh lembrei... Mazzaropi? Isto Mazzaropi! Mazzaropi era um galã, não era?

- Betão, nesta hora minha autoestima fez um buraco no chão e foi parar na terra do sol nascente. Pô, quando ela disse que eu parecia galã dos anos cinquenta, pensei num Paulo Gracindo, Paulo Autran, ou algum Antonio Fagundes da vida. Mas, Mazzaropi?
PQP! Mas, até aí tudo bem, para pegar aquele avião eu ia de Mazzaropi mesmo...

O meu fabuloso programa da tarde só veio a acabar, quando ela incautamente, derrubou um livro que tinha na mão. Eu, como um verdadeiro cavalheiro, inventei de abaixar para apanhá-lo. Só que esqueci as recomendações do meu ortopedista sobre minhas artroses e artrites, que quando eu me abaixasse, o fizesse de uma forma bem vagarosa. Enquanto o livro descia, eu mais que depressa, inventei de pegá-lo na altura dos joelhos desnudos da jovem.
- Só escutei a frase dela: "uau! que reflexo - você parece um garotão!".
- Ouvi esta frase, e mais um som. Um som abafado da região da minha coluna que travou no ato. E quem disse que eu conseguia endireitar o corpo?
Arcado, tentava me endireitar. A jovem vendo que a situação não reverteria, apanhou o celular e discou para o SAMU.
Foi o fim de um provável romance...
- Você tá rindo por que não foi com você!!!

REFORMA ORTOGRÁFICA DE CARLOS DE LAET, EM 1912
Li um artigo do Professor Maurício Silva da USP, que  o jornalista brasileiro Carlos de Laet (*) combatia, em 1912, o projeto de reforma ortográfica proposto pela Academia Brasileira de Letras,  o qual considerava um disparate lingüístico, empregando ortografia pretensamente resultante das modificações propostas pelo projeto da Academia, como revela este pequeno trecho do longo artigo de Laet, escrito conforme o brasileiro pronuncia as palavras:

Fálase muinto en ortografia fonetika; mas en ke se rezume ela? Na ekuasão du son i da grafia: ora, tal ekuasão não eziste, nunca ezistirá. Con un alfabetu ke, kual u ke erdamus dus latinus, é au mesmu tempu defisiente e superabundante (...) Con efeitu, as letras vogais são en numeru inferior au das vozes, i já na mesma lista das vogais aparése a duplikata du i e du ipsilon, tão odiozu este ultimu aus fonetistas da Akademia. Deixu de falar nas ôtras duplikatas dos xis e du cê agá, du gê i du jota en tantas palavras, edsétera, edsétera.
Logo, nunka será posivel fazer ortografia fonetika, antes ke Medeirus e seus adeptus corrijão u alfabetu, ô inventen ôtro melhor (...) não se póde fazer uma omelete sen kebrar os óvus, nem ortografia fonétika sen mandar au infernu a tradisão.

(*) Carlos Maximiliano Pimenta de Laet foi jornalista, professor e poeta brasileiro, e, surpreendentemente, era formado em Engenharia.

DISPENSA DO SERVIÇO MILITAR

Prezado Oficial Militar,

 Venho por intermédio desta lhe pedir minha dispensa do serviço militar. A razão para isto é bastante complexa e tentarei explicar-lhe em detalhes.
Meu pai e eu moramos juntos e possuímos um rádio e uma televisão. Meu pai é viúvo e eu solteiro. No andar de baixo, moram uma viúva e sua filha, ambas muito bonitas e sem rádio e nem televisão.
O rádio e a televisão fizeram com que nossas famílias ficassem mais próximas.
Eu me apaixonei pela viúva e casei com ela.
Meu pai se apaixonou pela filha e também se casou com esta.
Neste momento, começou a confusão.

A filha da minha esposa, a qual casou com o meu pai, é agora a minha madrasta.
Ao mesmo tempo, porque eu casei com a mãe, a filha dela também é minha filha (enteada).
Além disso, meu pai se tornou o genro da minha esposa, que por sua vez é sua sogra.
A minha esposa ganhou recentemente um filho, que é irmão da minha madrasta.
Portanto, a minha madrasta também é a avó do meu filho, além de ser seu irmão.
A jovem esposa do meu pai é minha mãe (madrasta), e o seu filho ficou sendo o meu irmão.
Meu filho é então o tio do meu neto, porque o meu filho é irmão de minha filha (enteada).
Eu sou, como marido de sua avó, seu avô. Portanto sou o avô de meu irmão.Mas como o avô do meu irmão também é o meu avô, conclui-se que eu sou o avô de mim mesmo!!! Portanto, Senhor Oficial, eu peço dispensa do serviço militar baseado no fato de que a lei não permite que avô, pai e filho sirvam ao mesmo tempo.
                   Ass. Avô, pai e filho.

AGORA, ESTÁ EXPLICADO
Acho que já sei por que o Brasil está desse jeito... Claro que é a qualidade da nossa educação...
1)Um sujeito comprou uma geladeira nova e pra se livrar da velha, colocou-a em frente à casa com o aviso: "De graça. Se quiser, pode levar".A geladeira ficou três dias, sem receber um olhar dos passantes.Ele chegou à conclusão que as pessoas não acreditavam na oferta. Parecia bom demais pra ser verdade, e ele mudou o aviso: "Geladeira à venda por R$ 50,00".No dia seguinte, ela tinha sido roubada! Cuidado! Esse tipo de gente vota!
2)Olhando uma casa para alugar, meu irmão perguntou à corretora de imóveis de que lado era o Norte, porque não queria que o sol o acordasse todas as manhãs. A corretora perguntou: "O sol nasce no norte?".
Quando meu irmão explicou que o sol nasce no Leste (aliás, há um bom tempo isso acontece), ela disse:
"Eu não me mantenho atualizada a respeito desse tipo de coisa".
Ela também vota!
3)Antigamente, eu trabalhava em suporte técnico num centro de atendimento a clientes em Manaus.
Um dia, recebi um telefonema de um sujeito que perguntou em que horário o centro de atendimento estava aberto. Eu disse a ele: "O número que o senhor discou está disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana."
Ele perguntou: "Pelo horário de Brasília ou pelo horário de Manaus?".Pra acabar logo com o assunto, respondi: "Horário de Manaus".
Ele vota!
4)Meu colega e eu estávamos almoçando no restaurante self-service da empresa, quando ouvimos uma das assistentes administrativas falando a respeito das queimaduras de sol que ela havia tido, ao ir de carro ao litoral.
Estava num conversível, por isso "não pensou que ficaria queimada, pois o carro estava em movimento".
Ela também vo