quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Amália / **Naufrágio** /LINDO VIDEO QUE VALE A PENA CONFERIR NO YOUTUBE https://www.youtube.com/watch?v=7s66FLIgRTY




LINDO VIDEO QUE VALE A PENA CONFERIR NO YOUTUBE


https://www.youtube.com/watch?v=7s66FLIgRTY

Enviado em 04/04/2008
Alain Oulman inspirou-se até ao divino, neste poema de Cecília Meireles, que Amália nos canta, como só ela sabia cantar Oulman. Então reparem na introdução musical do Fado, parece mesmo a preparar terreno para o poema e para a voz da Diva PORTUGUESA FADISTA: . AMÁLIA RODRIGUES
-
Pus o meu sonho num navio
E o navio em cima do mar.
Depois abri o mar com as mãos
Para o meu sonho naufragar.


Minhas mãos ainda estão molhadas
Do azul das ondas, entreabertas.
E a cor que escorre dos meus dedos
Colore as areias desertas.


O vento vem, vindo de longe,
A noite se curva de frio.
Debaixo d'água vai morrendo meu sonho,
Vai morrendo dentro do navio.


Chorarei quanto for preciso
Para fazer com que o mar cresça
E o meu navio chegue ao fundo
E o meu sonho desapareça.

Link: http://www.vagalume.com.br/amalia-rodrigues/naufragio.html#ixzz3BipUSOYK


-//
PUS O MEU SONHO NUM NAVIO

Poema de Cecília Meireles:


Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
depois abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar.

Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre dos meus dedos
colore as areias desertas
O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;


debaixo da água vai morrendo
meu sonho dentro de um navio...
Chorarei quanto for preciso,
para fazer com que o mar cresça,
e o meu navio chegue ao fundo
e o meu sonho desapareça.


Depois, tudo estará perfeito:
praia lisa, águas ordenadas,
meus olhos secos como pedras
e as minhas duas mãos quebradas.